Foto: Vinícius Melo / Agência Brasília

Competição de futebol é a única inteiramente sustentável do Brasil

Por Redação

“O diferencial da competição em relação às outras brasileiras está no fato de ela ser inteiramente voltada para a sustentabilidade”, assim frisou em seu discurso o vice-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), coronel Antônio Carlos Nunes de Lima, durante a solenidade de abertura de lançamento da VI Edição da Copa Verde 2019.  Promovida pela CBF e pela Federação de Futebol do Distrito Federal, a cerimônia ocorreu na manhã desta quinta-feira (25), no Auditório da Biblioteca Nacional. Estiveram presentes o governador em exercício, Paco Britto, e demais representantes esportivos regionais e federais. A primeira edição foi em 2014.

Sobre o torneio, Paco Britto elogiou a iniciativa e chamou a atenção para o fato de o Copa Verde se preocupar com o meio ambiente. Ele se referiu, por exemplo, à possibilidade de o torcedor trocar garrafas plásticas ou latas de alumínio por ingressos, por meio de máquinas instaladas nas cidades-sedes das partidas. Além disso, o governador em exercício valorizou a paixão brasileira pelo futebol, dizendo que essa paixão não se explica. “Vou pedir licença ao meu Flamengo e dividir minha torcida entre o Sobradinho e o Brasiliense”, brincou.

Os dois times – Sobradinho e Brasiliense, respectivamente, campeão e vice-campeão do Candangão de 2018 – vão representar o Distrito Federal na Copa Verde de Futebol. Ela é disputada por 24 clubes das regiões Norte e Centro-Oeste, além do Espírito Santo. O campeão da competição tem vaga garantida nas oitavas de final da Copa do Brasil de 2020. O torneio se divide em cinco fases, com partidas de ida e volta. Além disso, os oito melhores clubes no ranking da CBF garantem vagas diretas nas oitavas de final, enquanto os outros 16 disputam a competição desde a primeira fase.

Na opinião do coronel Nunes, que é um dos idealizadores da Copa Verde, a região Norte é “esquecida” em matéria de futebol. “O Brasil é dividido em regiões. Tudo é mais difícil. E quem é da região Norte, como eu, é muito mais difícil. (A região Norte) não recebeu um jogo da Copa América”, exemplificou.

Para o mestre de Cerimônia do evento, o secretário-geral da CBF, Walter Feldman, o futebol é um instrumento de integração. Segundo ele informou, das 19 competições brasileiras, as regionais do Nordeste e a Copa Verde representam 66% do território nacional e 15% da população brasileira.

Ao longo do evento, estavam previstos a apresentação da Copa Verde em Power point, um vídeo com depoimento do jogador Branco e vídeocase da Copa Verde 2018. Também compareceram à cerimônia o ministro em exercício da Cidadania, Lélo Coimbra; o secretário nacional de Futebol e Defesa dos Direitos do Torcedor do Ministério da Cidadania, Ronaldo Lima; o secretário Nacional de Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, André França; o presidente da Federação de Futebol do DF, Daniel Vasconcelos; o presidente da Sociedade Esportiva do Gama, Weber Magalhães; presidentes de clubes e jogadores de futebol, entre outros convidados.

Da Redação com informações da Ag. Brasília