banner

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

author photo

Por: Francisco Dutra
A queda do viaduto do Eixão é responsabilidade da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap), segundo o ex-diretor do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER/DF), Henrique Luduvice. Em defesa própria e dos servidores do DER, o primo do governador Rodrigo Rollemberg soltou o verbo na Comissão Senado do Futuro, onde esteve a convite do senador Hélio José (Pros).
“A responsabilidade sobre todos os viadutos e passagens subterrâneas dos eixos Norte e Sul sempre foi da nossa grande empresa Novacap. Nunca foi de responsabilidade do DER. Por tanto e aqui eu digo alto, claro e bom som para o Brasil ouvir que o DER foi injustiçado. O corpo técnico do DER, os servidores daquela instituição não são responsáveis, em absoluto, pelo desabamento daquele viaduto. E Brasília e o Brasil precisam saber disso”, cravou Luduvice.
Investigação prévia
O viaduto veio ao chão, sem vítimas, no dia 6 de fevereiro. Um dias depois, Rollemberg demitiu Luduvice, jogando, politica e simbolicamente a toda a culpa no colo do então diretor do DER. Segundo o ex-diretor, antes de qualquer decisão, seria necessária uma investigação prévia para dar substãncia documental para qualquer decisão ou responsabilização. Ou seja, o martelo foi político e não técnico.
“Por mais que respeitemos as instituições, não é possível que uma empresa, por mais respeitada que seja e, nós temos uma profunda admiração pela Novacap, não dissesse naquele momento que a responsabilidade era sua sobre aquele viaduto, com três processos lá tramitando. E um deles parado por exatos 826 dias. Aliás acabou mandado para o arquivo”, afirmou.Luduvice enxergou omissão por parte de dirigentes da Novacap. “É inaceitável que um colega, um profissional, seja ele em nível de presidente ou diretor de uma instituição, não assuma a sua responsabilidade. É eticamente condenável. É inaceitável, sob o ponto de vista da Justiça”, completou.
Magoa de Rollemberg? Nas palavras de Luduvice, zero. “Mas a verdade tem que ser restabelecida”, explicou.O Jornal de Brasília tentou novo contato com o ex-diretor, mas as ligações não foram atendidas. O vídeo com a fala completa é público e está disponível na página eletrônica do Senado Federal. Hélio José pretende promover uma comissão especial na Casa sobre as obras públicas no DF.
Crea cobra prevenção
A cobrança de ações preventivas nas obras públicas e privadas virou a nova bandeira do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea). A instituição cobrará do GDF o cumprimento de um decreto, cujo texto mira justamente na fiscalização preventiva de edificações, pontes, viadutos e demais construções públicas. Além disso, dará mais voz e força para servidores. No ponto de vista privado, pretende criar uma lei para para tornar realização de vistorias estruturais obrigação dos responsáveis e proprietários dos edifícios.
“Vamos somar forças com os engenheiros e calculistas do GDF. Eles têm o conhecimento. Vamos abraçar as causas deles. Muitas vezes as questões que eles levantam se perdem no caminho. Nao podemos forçar, mas vamos bater na tecla. Seremos mais uma força politica e tecnica para mostar gravidade dos problemas e a necessidade para que haja recursos”, comentou a presidente Crea, Fátima Có.
Para não deixar o desabamento da garagem da 210 Norte, o Crea vai batalhar para aprovação de uma nova legislação, justamente para cobrar a manutenção. “A obrigação seria do próprio proprietário. Isso já é praxe em São Paulo, Bahia e Rio de Janeiro. Em média, a partir de 25 anos de idade do prédio, são obrigados a fazer inspeções de risco a cada 5 anos. Se teve problema, isso passa a ser anual”, detalhou. Segundo Fátima, responsabilizar a Defesa Civil, neste tema, seria equivocado e tecnicamente inviável.
Câmara
– Oposição e governo preparam artilharia
Amanhã (20/02), representantes dos servidores do DER vão se reunir com deputados distritais na reunião de líderes da Casa. A categoria pedirá uma audiência pública para esclarecimentos dos fatos.
Segundo o vice-presidente da Casa, deputado Wellington Luiz (MDB), deverá ser marcada uma comissão geral sobre o tema nesta próxima quinta-feira (22/02).
“Os fatos precisam ser esclarecidos. Se governistas, dizem que a oposição quer usar esse assunto como palanque, tudo bem. Prefiro, isso do que ser chamado de omisso ou negligente. Foi sorte, foi a mão divina que evitou grandes fatalidades no Eixão”, disparou Wellington.
Pelo flanco governista, o líder do governo na Casa, Agaciel Maia (PR) argumenta que o Buriti vai encarar o debate com a verdade. Na visão do distrital, o Executivo tomou as providências corretas, inclusive para evitar novos desabamentos.
“O viaduto tinha 50 anos. As críticas construtivas são bem vindas. Agora as críticas para palanque? A população é inteligente o suficiente para distinguir isso. A queda foi resultado de muitos anos sem as devidas medidas. Agora todas estão sendo tomadas”, rebateu Agaciel.
your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior

Publicidade