Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Últimas notícias

latest

Biden assume com a missão de unificar os Estados Unidos

Após ser empossado, hoje, como o 46º presidente, Joe Biden terá a missão de comandar uma nação dividida pelo ódio e pela polarização.  Democ...

Após ser empossado, hoje, como o 46º presidente, Joe Biden terá a missão de comandar uma nação dividida pelo ódio e pela polarização. 


Democrata deverá assinar decretos para reverter medidas de Trump.
A previsão é de que, a partir de hoje, a Casa Branca se distancie da política “America First” (“Estados Unidos em primeiro lugar”), priorize a construção de alianças e faça acenos positivos ao Irã. Biden prometeu que, “no primeiro dia de mandato”, colocaria os EUA de volta ao Acordo de Paris sobre mudanças climáticas. Em um simbólico gesto de conciliação, ele convidou líderes do Congresso, republicanos e democratas, a acompanhá-lo em uma missa a ser celebrada na manhã de hoje, na Catedral de São Mateus, em Washington.
Logo após desembarcar na capital, o futuro presidente e a vice, Kamala Harris, participaram de um tributo às vítimas da covid-19, diante do Memorial Lincoln. “Para curar, nós devemos lembrar. (...) É assim que curamos. É importante fazer isso como nação. Entre o pôr do sol e o crepúsculo, vamos iluminar a escuridão para lembrar de tudo o que perdemos”, disse Biden, enquanto velas eram acesas dos dois lados do espelho d’água do National Mall. Kamala fez um discurso no mesmo tom. “Começamos, nesta noite, o período de cura, juntos”, declarou a primeira mulher negra e de ascendência indiana a ocupar o posto.

Ainda em Delaware, antes de seguir para Washington, Biden não conteve a emoção. Enxugou os olhos ante dezenas de convidados, durante homenagem da Guarda Nacional ao filho Beau, morto de câncer em 2015. “É profundamente pessoal que nossa jornada para Washington comece aqui. Só lamento que ele não esteja aqui. Porque deveríamos estar o apresentando como presidente”, desabafou. “Desculpe a emoção. Mas, quando eu morrer, Delaware estará escrito em meu coração.” Em vídeo nas redes sociais, Trump se despediu da nação.
Desafios
Robert B. Talisse, professor de filosofia da Vanderbilt University (em Nashville), aponta dois desafios de Biden, no processo de cura e unificação do país. “O primeiro deles é restaurar um governo competente e transparente. Por quatro anos, os EUA sofreram quatro anos sob uma liderança cujo propósito era a reeleição. A agenda política de Trump foi impulsionada pela meta de cumprir promessas de campanha — a construção do muro na fronteira com o México, a proibição de viagens e ganhos no mercado de ações. Ele ignorou a interferência estrangeira nas eleições, o terror doméstico, a covid-19 e o colapso econômico. A nação está em desordem”, disse ao Correio o autor de Overdoing democracy e especialista em polarização política.
Talisse aponta que Biden terá a missão de destacar os valores democráticos, após uma gestão que dividiu o povo. “O novo presidente precisa reafirmar a base de princípios da democracia constitucional, dentro da ideia de igualdade política. Espero que a mensagem seja central no discurso de posse. Não devemos perder de vista que as divisões também têm a ver com o fato de que ampla porção do Partido Republicano parece devotada à ideia de que a vitória de Biden é fraudulenta.”
Para Hunter Baker, cientista político da Union University (em Jackson, Tennessee) e um dos diretores da Braver Angels (organização que luta contra a polarização política), Biden terá uma “chance tremenda”. “Trump estabeleceu um padrão muito baixo para a promoção da paz, gerou calor e paixão. Tudo o que Biden precisa fazer é ser calmo, conciliador e evitar mostrar-se agressivo com suas políticas”, disse ao Correio.

Investigação afasta 12 soldados da cerimônia
                                                crédito: Stephanie Keith/AFP

Doze soldados da Guarda Nacional dos Estados Unidos foram excluídos do dispositivo de segurança da posse do presidente eleito Joe Biden, depois de uma investigação sobre possíveis vínculos com extremistas, informou o Pentágono. Dos 12 removidos, dois foram por “comentários ou textos inapropriados”, disse a jornalistas o comandante da Guarda Nacional, general Daniel Hokanson, que se recusou a especificar a natureza dos comentários. As autoridades temem que extremistas tenham se infiltrado nas forças de segurança durante a posse do líder democrata. A eliminação dos outros 10 “não teve nada a ver com os incidentes no Capitólio ou com a preocupação de muitas pessoas sobre o extremismo”, disse o porta-voz do Departamento de Defesa, Jonathan Hoffman, sem fornecer detalhes.

Eu acho...

crédito: Arquivo Pessoal

“A cura do país não pode ser responsabilidade daqueles que mantiveram o seu compromisso com princípios democráticos centrais, em detrimento de um grande partido político que se desviou desses princípios. Ela somente começará quando os republicanos reconhecerem seu papel na promoção de elementos antidemocráticos e trumpistas em suas fileiras. Eu não sou um otimista.” Robert B. Talisse, professor de filosofia da Vanderbilt University (em Nashville), especialista em democracia e em polarização política
“Joe Biden terá a chance de deixar um grande legado, como uma pessoa que curou as feridas americanas. Donald Trump, por sua vez, danificou a democracia dos EUA. Se seguirem o caminho traçado por Trump, os americanos jamais confiarão em uma eleição movamente. Sempre pensarão que uma fraude ocorreu, em caso de derrota de seu partido.”
Hunter Baker, cientista político da Union University (em Jackson, Tennessee) e um dos diretores da Braver Angels (ONG que combate a polarização política)

Dia para a história

Veja os principais momentos da posse do presidente eleito dos Estados Unidos

Noite na Blair House
O presidente eleito, de 78 anos, e sua mulher, Jill, passaram a noite na Blair House (foto), a residência oficial para convidados estrangeiros do presidente dos Estados Unidos, localizada em frente à Casa Branca, próximo à Lafayette Square.

Missa na Catedral de São Mateus
Como parte da tradição de todas as posses, Biden participará, na manhã de hoje, de uma cerimônia religiosa na Catedral de São Mateus, o padroeiro das autoridades, em Washington. O segundo presidente católico dos Estados Unidos, depois de John Kennedy, estará acompanhado da presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi; do líder democrata no Senado, Chuck Schumer; e dos líderes republicanos de ambas as casas, Kevin McCarthy e Mitch McConnell.
Juramento
Biden chegará em caravana ao Capitólio. A cerimônia de posse terá início às 11h (13h em Brasília), em um palco montado em frente ao National Mall. A estrela do pop Lady Gaga (foto) cantará o hino nacional, e a cantora Jennifer Lopez fará uma apresentação. Às 12h (14h em Brasília), Biden e a vice, Kamala Harris, prestarão juramento. O agora presidente empossado fará o seu discurso inaugural.
Homenagem em Arlington
No início da tarde, Biden viajará para o Cemitério Nacional de Arlington, a 12km do Capitólio, para deixar uma coroa de flores no Túmulo do Soldado Desconhecido (foto). Estará acompanhado dos ex-presidentes Barack Obama, George W. Bush e Bill Clinton.
Entrada na Casa Branca
Após a cerimônia, o comboio retornará à Casa Branca e deverá parar a dezenas de metros da sede do governo e residência presidencial. Biden entrará a pé, cercado por uma escolta militar, e assinará os primeiros decretos presidenciais para reverter decisões de Trump.
Especial de Tevê
Biden e Kamala Harris falarão à nação durante um especial de televisão que será apresentado pelo ator Tom Hanks (foto) e transmitido nos principais canais dos Estados Unidos a partir das 20h30 (22h30 em Brasília). Intitulado Celebrando a América, o programa terá muitos convidados musicais, incluindo Jon Bon Jovi, Foo Fighters, John Legend, Demi Lovato, Bruce Springsteen e Justin Timberlake, entre outros.

Fonte: Correio Braziliense 

Nenhum comentário