Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Últimas notícias

latest

Médico brasileiro detido no Egito por ofensa sexual a vendedora retorna ao Brasil

Foto: Reprodução Informação da chegada de Victor Sorrentino foi confirmada pela assessoria de imprensa da família; médico foi detido no país...

Foto: Reprodução

Informação da chegada de Victor Sorrentino foi confirmada pela assessoria de imprensa da família; médico foi detido no país após gravar vídeo fazendo questionamentos inapropriados, em português, à mulçumana que não entendia o idioma
Victor Sorrentino, médico brasileiro que foi detido no Egito após ser acusado de ofender sexualmente uma vendedora mulçumana, já chegou em solo brasileiro. O homem retornou ao Brasil dois dias após publicar, em suas redes sociais, um novo vídeo, em que a mulher afirmava aceitar suas desculpas.
No vídeo, Sorrentino afirma ter errado em fazer uma gravação sem autorização e em ter utilizado “palavras feias”. A informação do retorno do médico ao país foi confirmada pela assessoria de imprensa da família.
O brasileiro Victor Sorrentino foi detido no Egito ao ser acusado de ofensa de teor sexual no país após divulgar um vídeo, em suas redes sociais, onde utiliza palavras inapropriadas, em português, à vendedora de papiro, dentro de uma loja. “Vocês gostam mesmo é do bem duro, né? 
Comprido também fica legal, né? O papiro comprido”, questiona o médico, no registro.
Em resposta aos questionamentos, ao não entender o idioma, ela diz que sim, sorri e passa a ser alvo de risadas do médico e de seus acompanhantes, também brasileiros. Após a grande repercussão do caso nas redes sociais, o médico se desculpou sob a justificativa de ser “muito brincalhão” e tornou seu perfil do Instagram, de quase 1 milhão de seguidores, privado.
O médico brasileiro é defensor do tratamento precoce à Covid-19 e oferecia atendimento nas cidades de Lisboa e Porto, em Portugal, mesmo sem ter o diploma de medicina validado no país. As consultas eram divulgadas em suas redes sociais e em seu site, que foi removido após questionamento da Folha de S. Paulo, para reportagem, e custavam até 350 euros (cerca de R$ 2.100)

Confira

Nenhum comentário