banner

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

author photo

Por Mino Pedrosa
Nove milhões de reais fazem calar, Nelson Tadeu Filippelli, presidente do (MDB/DF) e Roney Nemer, presidente do (PP/DF), na eleição de 2018. A derrocada na campanha de Jofran Frejat (PR/DF), passa pela sórdida manobra em lançar o ex-presidente da OAB/DF, Ibaneis Rocha (MDB/DF), a vice do bom velhinho.Não é a primeira vez que Tadeu Filippelli vende e compra o Movimento Democrático Brasileiro. No dia 17 de setembro de 2009, no governo de José Roberto Arruda (DEM), o então secretário de relações institucionais do Distrito Federal, Durval Barbosa, delator na Caixa de Pandora, gravou um diálogo explosivo a pedido da Polícia Federal (PF).Os protagonistas: empresário Alcir Collaço e Durval, falavam sobre o valor que Filippelli repassava para os caciques do PMDB, Michel Temer, Henrique Eduardo Alves e Eduardo Cunha, como pagamento da rasteira em Joaquim Roriz, tomando de assalto o comando do PMDB/DF.No vídeo, Durval Barbosa e Alcir Collaço conversam sobre o pagamento de R$ 800 mil mensais a parlamentares em troca e apoio a José Roberto Arruda, governador do Distrito Federal. “Arruda dá R$ 1 milhão por mês para o Filippelli”, diz Durval. Collaço corrige: “São 800 pau. R$ 500 mil para o Filippelli para fazer… vai R$ 100 mil para o Michel, R$ 100 mil para o Eduardo e R$ 100 para o Henrique Alves. São 800 pau”. O pagamento de propina passava pelas mãos do empresário Alcir e repassado por Durval Barbosa.Tadeu Filippelli havia comprado a presidência do PMDB junto aos caciques e vendido o apoio ao governo de Arruda. Michel Temer após receber a notícia do vídeo acionou o empresário na justiça. Mas, Filippelli propôs um acordo em parceria assumindo toda a responsabilidade e enterrando o processo no STF. Foro de Michel Temer.Agora, a mala de dinheiro, do ex-presidente da OAB/DF que se prontificou em despejar vinte e cinco milhões de reais para ocupar a vaga de candidato a vice na chapa de Frejat, causa efeito em todo o grupo que se esfacelou diante da desistência da candidatura pelo bom velhinho. Ibaneis Rocha insiste na candidatura ao governo do Distrito Federal sem abrir mão para Alberto Fraga e Izalci Lucas, que seguramente teriam chances de aglutinar em uma coalisão partidária e até alcançar a vitória na mudança do comando de Brasília.São várias reuniões sem resultados concretos. Filippelli refém de uma fatura, não pode se manifestar e permanece no silêncio junto a Roney Nemer, presidente do Partido Progressista, apadrinhado de Filippelli.Contudo, nesta terça-feira (31), às 16:30 Izalci Lucas e Alberto Fraga estancaram a sangria, fechando a chapa que vai disputar a mudança no comando do Distrito Federal. A decisão tomada por Izalci e Fraga, tem o apoio integral de Jofran Frejat, com o Partido Republicano. Fraga será o candidato ao governo e Izalci Lucas o candidato ao Senado. Conversas estão sendo realizadas a partir de agora em busca da adesão de outros partidos que já se comprometeram a apoiar a chapa apadrinhada pelo bom velhinho Jofran Frejat. O ex-governador, Paulo Octávio (PP/DF), cotado para concorrer a outra vaga para o Senado. Nessa composição fica: Flávia Arruda (PR/DF) e Laerte Bessa (PR/DF) para Câmara Federal e Agaciel Maia (PR/DF), Sandra Faraj (PR/DF), Bispo Renato (PR/DF) para distrital. Ainda está sendo discutido o nome do ocupante da vice e as composições proporcionais. Quem considerava José Roberto Arruda fora das articulações, ledo engano: foi peça fundamental nos bastidores para as decisões que viabilizaram a chapa.Abaixo: O vídeo do delator, Durval Barbosa em gravação com o empresário Alcir Collaço!
Fonte: QuidNovi

your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior

Publicidade