banner

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

author photo

Fantasias e irreverência do público marcam desfile de fanfarras no 4º dia de pré-carnaval em Salvador

Festa foi realizada na noite desta quarta-feira (7), no Circuito Sérgio Bezerra, do Farol da Barra ao Cristo.Por G1 BA



Confira um trecho dos melhores momentos das marchinhas e fanfarras na Barra

Super-heróis, personagens de desenhos animados, bruxas, demônios e até aplicativos de transporte rivais ganharam vida com os foliões que foram curtir o desfile dos bloquinhos e das fanfarras, na noite desta quarta-feira (7), em Salvador. As fantasias e a irreverência do público foram destaque da festa, que integra a programação do pré-carnaval da capital baiana.

Crianças, adultos e idosos foram para a rua com adereços que ajudaram a colorir a noite. Era possível ver também trajes de médicos, enfermeiras e bebês com corpos de adultos. Tinha gente com fantasia que era difícil até saber o que representava, mas valia tudo para entrar no clima da festa, que antecede a abertura oficial do carnaval, marcada para a quinta-feira (8).


A animação ficou por conta de 26 bloquinhos e fanfarras que saíaam sempre do Farol da Barra em direção ao Morro do Cristo, no circuito batizado de Sérgio Bezerra. Os grupos que desfilaram, filiados à Associação Carnavalesca de Entidades de Sopro e Percussão (ACESP), não deixaram ninguém parado.



Primas curtiram a festa fantasiadas de febre amarela (Foto: Alan Oliveira/G1 Bahia)

As primas Dinha Dorea, Lia Sara, Débora Santana e Camila Rodrigues resolveram usar a fantasia para conscientizar na avenida. Foram vestidas de "febre amarela". "Pra conscientizar as pessoas com relação aos cuidados, a necessidade de se vacinar quando se estar ou se vai para locais de risco e também para concientizar as pessoas que não se deve matar macacos. Eles não transmitem, apenas indicam onde a doença pode estar", disse Débora.

Cristiana Wapanabe, de 37 anos, improvisou na fantasia ao usar uma caixa de papelão com notas falsas coladas e um cartaz com a mensagem "tesouro perdido de Geddel", em alusão aos R$ 51 milhões achados dentro de um apartamento em Salvador atribuídos ao ex-ministro. "Nada melhor do que usar essa festa popular para colocar para fora o nosso protesto contra o cenário político atual. É preciso rir da própria desgraça", disse ela.



Foliã aproveitou o desfile para fazer protesto bem-humorado (Foto: Alan Oliveira/G1 Bahia)

Já as amigas Gabriela Nascimento e Natália Carvalho se inspiraram em aplicativos de transporte rivais para montar a fantasia. Uma foi vestida com a camisa do Uber e outra com uma da 99 Táxis. No meio da folia, no entanto, garantiram não ter nenhuma rivalidade. "É só uma brincadeira, uma forma de se descontrair. Só tem que escolher entre um ou outro. Mas nós somos a maior dupla que há", disseram.

Quem também fez questão de comparecer à festa foi Candida Patricia, que é tetraplégica há 10 anos. Na cadeira de rodas, também colocou a fantasia de um dos bloquinhos que desfilaram e seguiu animada do início ao fim da festa. "Fui vítima de um acidente de carro e não posso mais andar, mas isso não tirou minha animação de estar aqui hoje", disse a mulher.



Amigas mostraram que na folia não tem concorrente (Foto: Alan Oliveira/G1 Bahia)

Grande homenageado da noite, Sérgio Bezerra, fundador da banda Habeas Copos e cujo nome foi colocado no circuito por onde as bandinhas desfilam, não escondia a emoção de por mais um ano estar presente no evento, que relembra os antigos carnavais. O tributo a Bezerra marcou os 40 anos da festa do Habeas.

"É uma emoção muito grande. Isso tudo é resultado de um trabalhão que começou lá atrás. Hoje, temos um circuito próprio, com o meu nome, que é por onde as bandinhas de sopro e fanfarras podem desfilar e manter a tradição. Então, somente pelo fato de hoje as bandinhas estarem sendo valorizadas, eu já me sinto muito feliz", disse, em entrevista ao G1.


O fundador da banda Habeas Copos, Sérgio Bezerra, posa ao lado da esposa da rainha do bloco (Foto: Max Haack/Ag Haack)



Calçadão da Barra ficou lotado. Essa turma aí é do Bloco Alerta Geral, outro que também tem tradição na festa (Foto: Max Haack/Ag Haack)


Turma de amigos caprichou na caracterização (Foto: Max Haack/Ag Haack)


Turma investiu na fantasia na festa de fanfarras na Barra. Teve até lugar pra 'presidiária'. (Foto: Max Haack/Ag Haack)



Banda do Habeas Copos conta com cerca de 120 músicos de sopro e percussão responsáveis pelas marchinhas e antigos sucessos do carnaval (Foto: Max Haack/Ag Haack)


Turma do bloco Quero Mais também agitou a galera no Circuito Sérgio Bezerra (Foto: Max Haack/Ag Haack)


Mulherada do Bloco Pinguço caprichou no look (Foto: Max Haack/Ag Haack)

CARNAVAL DE SALVADOR
your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior

Publicidade