banner

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

author photo

Entrevista com o pré-candidato a deputado federal Joaquim Roriz Neto (PROS)
Joaquim Roriz Neto, 26 anos, brasiliense, formado em Ciências Políticas nos Estados Unidos, neto do eterno governador de Brasília Joaquim Roriz, ingressa na política disposto a resgatar o que foi “negligenciado na ausência de sue avô no governo” e escrever o seu próprio nome na história do Distrito Federal. O jovem, com uma formação acadêmica diferenciada e uma experiência prática na política desde muito cedo, afirma não temer a responsabilidade do nome que carrega e vai usar seu conhecimento e energia para ajudar no resgate, renovação e desenvolvimento de Brasília e do Brasil.
Por Blog da Cris

Blog-1) O Supremo Tribunal Federal reabriu a audiência pública para tratar da retirada dos artigos 124 e 126 do Código Penal, que define como crime o aborto em qualquer fase da gestação. Como deputado federal, você apoiaria a legalização do aborto?
Joaquim Roriz Neto – Primeiro quero dizer que não cabe ao Supremo Tribunal Federal legislar para o Brasil, esta é uma prerrogativa do Congresso Nacional, de 513 Deputados e 81 Senadores eleitos pelo povo. Tenho o mais alto respeito pela suprema corte do país, mas 11 ministros não podem decidir o destino de uma nação. Quanto ao aborto, as pesquisas feitas sobre esta questão, mostram em números, que a maioria da população brasileira é contra o aborto. As leis brasileiras já admitem o aborto em três casos: estupro, se colocar a vida da mãe em risco e quando o feto for anencéfalo. E o SUS cobre as despesas nesses casos. Entretanto, se faz necessário também criar e oferecer condições para as mulheres que decidam ter seus filhos, mesmo que sejam frutos de estupro ou porte alguma deficiência. Eu, particularmente, defendo a vida, e vida com dignidade. Se eu tivesse sido abortado não estaria aqui querendo ajudar a melhorar o Distrito Federal e o Brasil. Como deputado federal, vou lutar para que o Estado cumpra o seu papel constitucional mais básico, de oferecer saúde, educação e segurança. Morrem mais pessoas por falta de atendimento nos hospitais e de segurança pública do que por complicação de aborto clandestino. E se a saúde pública não consegue suprir a demanda que já possui, está estruturada para atender mais com a descriminalização do aborto? Os governos não conseguem sequem garantir que os métodos contraceptivos alcancem todas as mulheres. Como cidadão e como deputado federal defendo e vou defender a vida com dignidade para todos os brasileiros, em especial para a população de Brasília, cidade onde nasci, vivo e amo. E vi me avô lutar por ela.

Blog-2) você é neto do ex-governador Joaquim Roriz. Como é carregar um nome de tanta influência no Distrito Federal? Você acredita que é, você, o herdeiro político do Rorizismo no DF?

Joaquim Roriz Neto – Para mim é uma honra carregar o nome do meu avô, e também uma grande responsabilidade. Tenho comigo um passado de glória a agradecer, um presente com grandes desafios a vencer e um futuro a conquistar. Aprendi muito com meu avô, principalmente a valorizar as pessoas pelo o que elas são. Ele governou para ricos e pobres, com visão futurista. Imagine o que seria de Brasília, que tinha tantas favelas, se não fossem as cerca de 10 cidades criadas por ele? Sem o metrô de superfície, Corumbá IV, restaurantes comunitários, sem as grandes obras que ele executou? Na época foi muito criticado, e ainda é nos dias de hoje. E certamente teve muitas falhas, que não as têm? No entanto, eu tenho minha própria identidade. Quero resgatar a esperança e autoestima dos brasilienses daquela época, vou lutar, trabalhar para a construção das grandes obras que vão gerar desenvolvimento para Brasília. Me formei em Ciências Políticas nos Estados Unidos, conheço o sistema de lá e da Europa. É claro que temos outra realidade, mas podemos usar o conhecimento para ajudar nossa cidade e nosso país. Não sei se sou o herdeiro político do meu avô, tenho consciência da responsabilidade do nome, mas não tenho medo de desafio. Com um passado glorioso, um presente de muitos planos e desafios vou conquistar o meu espaço e minha própria história.

Blog-3) O Brasil passa por um momento difícil de muitos escândalos de corrupção. Qual será a sua proposta de renovação na política? Você é a favor de uma reforma política que venha mudar o sistema de governo?


Joaquim Roriz Neto
– Os escândalos e o combate a corrupção mostram o amadurecimento e evolução do nosso país. Quem diria que veríamos tantos grandes empresários, políticos de diversos partidos presos? A lei da ficha limpa, a liberdade e eficiência do Ministério Público e da Polícia Federal estão ajudando muito nesse processo de renovação. No Brasil já não cabe mais o “jeitinho” do passado. Mas não é só na política, é na vida de todo brasileiro. Os valores foram deturpados. Como cidadãos temos deveres e responsabilidades. Não é tudo culpa do governo ou do político. Penso que se faz necessário a renovação na política, reforma do código penal, atualização do código civil, renovação na justiça… eu tenho esperança no avançar do meu país. Mesmo no caos, eu acredito num Brasil melhor e quero ajudar nesse processo. Quanto a reforma política, mudanças nas regras das disputas eleitorais foram debatidas e revistas tanto pelo Congresso Nacional quanto pelo Supremo Tribunal Federal no ano passado, e que já influenciam no pleito eleitoral deste ano. Mas acredito que é possível melhorar. Estudo essa questão.

Blog-4) você é jovem. Qual sua proposta para a juventude do Distrito Federal? Você é a favor da Lei da maioridade penal?

Joaquim Roriz Neto – Tenho conversado com jovens do DF e estou ciente da dificuldade do primeiro emprego e do ingresso à universidade. A disputa por uma vaga no mercado de trabalho está cada vez mais acirrada, refletindo diretamente nos jovens. A taxa de desemprego atingiu índice histórico no Brasil, segundo dados do IBGE. E os jovens são mais impactados, fazem parte da parcela da população que possui menos experiência profissional. Como deputado federal vou priorizar projetos de educação de tempo integral nas escolas para reduzir o tempo do jovem livre nas ruas e expostos ao crime. Vou lutar pelos cursos profissionalizantes e melhor acesso do jovem à universidade e no mercado de trabalho.

Quanto a maioridade penal, penso que a criminalidade nessa faixa etária até os 16 anos é alta e tem raiz na falta de educação e de ocupação, uma raiz também no social. Mas não podemos ignorar que um jovem de 16 anos, em grande parte, já conhece seus direitos, sabe o que é certo ou errado e já pode inclusive votar. Mas precisa saber de seus deveres. Devem ser responsabilizados pelos seus atos e crimes. Segundo a Organização das Nações Unidas, a ONU, em 193 países não há um consenso absolutamente preciso sobre a questão da maioridade penal. Na maioria dos locais, a própria cultura local é utilizada para estabelecer estas regras. Eu defendo que lugar de criminoso é na cadeia. Precisamos atualizar o Estatuto da Criança e do Adolescente e criar oportunidades para os jovens. As cadeias e presídios brasileiros não educam, não socializam, não são solução. Precisamos também rever isso. De minha parte, posso garantir, que os jovens terão minha atenção especial na Câmara dos Deputados.

Blog-5) você tem alguma proposta para melhorar a segurança pública do DF? Os policiais civis e militares do DF estão há 9 anos sem reajustes salarias.

Joaquim Roriz Neto – A Segurança Pública do Distrito Federal não vai evoluir ou ser pacificada somente com um bom novo nome à frente da pasta. A violência no Distrito Federal chegou a um índice assustador. Li esses dias que a média de estupro, em Brasília, é de 50 mulheres por mês, sem falar naquelas que não denunciam por vergonha ou outro motivo. Há lugares no DF que a polícia corre risco se entrar lá. A que situação chegamos? A área de segurança precisa de mudanças profundas. As policias precisam ser mais aparelhadas para o combate ao crime e a manutenção da ordem. Tenho acompanhado as cobranças de recomposição salarial das categorias que também pedem aumento de efetivo. Sei que o governo precisa cumprir com a Lei de Responsabilidade Fiscal, mas não pode se eximir de sua responsabilidade ou refutar sua incompetência nisso. Como deputado federal vou lutar por mais recursos federais para a segurança no DF. Vou ajudar a próxima governadora, pois acredito na vitória da Eliana Pedrosa, nesta questão e em outras. Bons tempos virão para o DF.

Cris Oliveira
your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior

Publicidade