banner

terça-feira, 7 de agosto de 2018

author photo


Por Mino Pedrosa

O escândalo que envolvia o governo de Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) e tinha o apadrinhamento da primeira dama, Márcia Rollemberg, no esquema corrupto da saúde, começa a vir a baila e mostra a verdadeira história da farra com o dinheiro público. Foi a presidente do Sindsaúde, Marli Rodrigues, quem denunciou a corrupção no sistema de saúde do Distrito Federal (DF), abastecendo a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara Legislativa.

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) que investigava as denúncias montou uma operação batizada por Drácon, neutralizando a CPI com o afastamento de cinco deputados que compunham a mesa diretora da Câmara. Rodrigo Rollemberg abriu as torneiras para matar a sede da base parlamentar que dava sustentação ao governo. Os deputados comandados por Rollemberg sufocaram a CPI que foi enterrada com um relatório pífio.

As atenções foram voltadas para o afastamento dos parlamentares. Enquanto isso Rollemberg com o comando da polícia que investigava, desviava o foco para ganhar tempo desmontando o aparelhamento do propinoduto que tinha como ponta de lança, Marcelo da Nóbrega, testa de ferro da amiga íntima e primeira dama, Márcia Rollemberg. As investigações com depoimentos, provas documentais, escutas telefônicas autorizadas pela justiça chegaram a conclusão de que o desvio dos cofres do GDF somam milhões.

A deputada Liliane Roriz braço direito de Rollemberg foi a escalada para gravar membros da mesa diretora e colocar sobre suspeitas emendas parlamentares da área de saúde. A deputada gravou o secretário geral, Valério Neves e a presidente da CLDF a época, Celina Leão, que nos diálogos demonstra claramente não participar do suposto esquema de corrupção.

Rollemberg conseguiu na justiça uma decisão de um desembargador de plantão, o afastamento da presidente Celina Leão. Com isso, o escândalo da Operação Drácon ganhou manchetes nas mídias e Rollemberg conseguiu desviar o foco em que a primeira dama era alvo principal. Marcelo Nóbrega, amigo íntimo de Márcia Rollemberg, sempre esteve lado a lado da primeira dama nos órgãos públicos por onde ela passou. E foi indicado para o comando administrativo da secretaria de saúde onde fez escoar milhões dos cofres do GDF.

A Operação (12:26), da manha desta terça-feira (7), que faz referência ao provérbio bíblico do Antigo Testamento: “O homem honesto é cauteloso em suas amizades, mas o caminho dos ímpios o leva a perder-se”. Causou pânico no governador, Rodrigo Rollemberg e na primeira dama, Márcia, por está acontecendo neste momento. O apagar das luzes do governo ás vésperas de reeleição com disputa acirrada.

A PCDF maltratada pela gestão de Rodrigo Rollemberg, levanta apenas a ponta do tapete persa que decora o gabinete do governador no Palácio do Buriti.

your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior

Publicidade