banner

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

author photo


O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) lidera, com 22% das intenções de voto, a primeira pesquisa de intenção de voto divulgada após o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) barrar a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Os números do Ibope foram anunciados nesta quarta-feira (5). Fernando Haddad, vice na chapa do PT, foi apresentado aos entrevistados como o candidato do partido.

Bolsonaro é seguido por Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT), empatados com 12%; e Geraldo Alckmin (PSDB), com 9%. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos.
Depois aparecem: Fernando Haddad (PT) com 6%; Alvaro Dias (Podemos) e João Amoêdo (Novo) com 3%; Henrique Meirelles (MDB) com 2%; Guilherme Boulos (PSOL) e Vera (PSTU), João Goulart Filho (PPL) com 1%; Cabo Daciolo (Patriota) e Eymael (DC) com 0%. Branco/nulos somam 21%. Não sabem ou não responderam: 7%.
Na pesquisa Ibope anterior, divulgada em 20 de agosto, Bolsonaro liderava com 20% no cenário sem Lula, seguido por Marina (12%), Ciro (9%), Alckmin (7%), Haddad (4%) e Alvaro Dias (3%), entre outros nomes.
A maior alteração em relação ao levantamento de agosto foi a queda na intenção de votos brancos e nulos, que despencou oito pontos percentuais (de 29% para 21%).
Antes do indeferimento da candidatura, na madrugada de sexta (31) para sábado (1º), Lula liderava nos cenários em que seu nome era apresentado aos entrevistados. Os advogados do ex-presidente buscam garantir, no STF (Supremo Tribunal Federal), o direito de Lula disputar a eleição mesmo preso e condenado em segunda instância na Operação Lava Jato.
O Ibope fez a pesquisa entre os dias 1º e 3 de setembro, em 142 municípios em todo o país, com 2.002 entrevistados. A pesquisa foi contratada pelo jornal "O Estado de S. Paulo" e pela TV Globo, e registrada no TSE com o número BR-05003/2018.
A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, e o intervalo de confiança estimado é de 95%. Segundo o Ibope, isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados serem um retrato do "atual momento eleitoral".
Segundo turno
O Ibope também pesquisou quatro cenários para um eventual segundo turno das eleições presidenciais.
Apesar de liderar a pesquisa para o primeiro turno, Bolsonaro perde em três dos quatro confrontos apresentados aos entrevistados, com exceção do embate com Haddad, em que ambos estão tecnicamente empatados.
No cenário em que enfrenta Ciro Gomes, o deputado federal perde por 44% a 33%.
Brancos e nulos somam 19%, e não souberam ou não responderam, 4%.
Já no confronto com Alckmin, Bolsonaro tem 32%, contra 41% do ex-governador de São Paulo.
Brancos e nulos somam 23%, e não souberam ou não responderam, 4%.
Segundo a pesquisa, Bolsonaro também seria derrotado em um eventual segundo turno contra Marina Silva. A ex-senadora tem 43% das intenções de voto, e o candidato do PSL, 33%.
Brancos e nulos somam 20%, e não souberam ou não responderam, 3%.
No último cenário de segundo turno apresentado pela pesquisa, Bolsonaro e Haddad estão tecnicamente empatados dentro da margem de erro, com 37% e 36% respectivamente.
Brancos e nulos somam 22%, e não souberam ou não responderam, 5%.
Rejeição
Outro tema pesquisado pelo Ibope foi a rejeição aos candidatos.
Como os entrevistados podiam escolher mais de um nome, a soma dos percentuais ultrapassa os 100%.
Além disso, como o nome de Lula não constou como opção de resposta desta vez, não é possível comparar os números desta pesquisa com a anterior, feita em agosto, pois o conjunto de candidatos é diferente.
Veja a rejeição dos candidatos à Presidência:
Bolsonaro: 44%
Marina: 26%
Haddad: 23%
Alckmin: 22%
Ciro: 20%
Meirelles: 14%
Cabo Daciolo: 14%
Eymael: 14%
Alvaro Dias: 13%
Boulos: 13%
Vera: 13%
Amoêdo: 13%
João Goulart Filho: 11%
Poderia votar em todos: 1%
Não sabe/não respondeu: 10%
Divulgação da pesquisa foi adiada
O resultado da pesquisa sairia na terça (4), mas o Ibope suspendeu a divulgação por questões legais. A empresa registrou a pesquisa no TSE antes de a Corte barrar a candidatura de Lula, e fez um questionário com dois cenários: um com Lula e outro com Haddad.
Com a decisão do TSE, os entrevistadores não apresentaram aos entrevistados o cenário com Lula. A empresa fez uma consulta ao tribunal para saber se poderia divulgar uma pesquisa cujo questionário original acabou não sendo totalmente seguido.
Mais cedo hoje, o ministro Luis Felipe Salomão decidiu que não seria possível responder à consulta durante o período eleitoral, pois correria o risco de antecipar uma posição sobre um assunto que pode passar por julgamento no TSE.
Assim, o Ibope divulgou nota dizendo que, diante da decisão de Salomão, "convicto de que agiu de boa fé e dentro da lei, e, ainda, no intuito de não privar o eleitor de informações relevantes sobre a situação atual das intenções de voto na eleição presidencial", optou pelo anúncio dos resultados.

your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior

Publicidade