banner

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

author photo

Para virar o jogo, Rollemberg precisa conquistar 50 mil votos por dia
De acordo com pesquisas Datafolha e Ibope divulgadas nesta semana, governador tem 25% dos votos válidos, contra 75% de Ibaneis Rocha
De acordo com os números apresentados, nesta quinta-feira (17/10), pelo Instituto Datafolha, Rodrigo Rollemberg (PSB) precisa tomar, por dia, quase 50 mil eleitores do concorrente Ibaneis Rocha (MDB) para conseguir a reeleição em 28 de outubro. O governador foi apontado como preferido por 22% dos eleitores no levantamento. Ao traduzir essa intenção de votos em dados reais, o percentual do socialista equivaleria hoje a 457.868 mil brasilienses.

O emedebista apareceu com 65% nos números gerais e ultrapassaria a marca de 1,35 milhão de votantes. Se forem considerados somente os votos válidos (quando são desprezados os brancos, nulos e indecisos), Ibaneisganharia por 75% a 25% do adversário. A mesma diferença de 50 pontos percentuais foi apontada pela pesquisa Ibope, na quarta-feira (16).
Em outras palavras, o advogado tem três vezes mais votos do que Rollemberg. A nove dias para o fim das eleições, portanto, o governador tem de mudar, a cada 24 horas, 2,8 pontos dessa estimativa, uma vez que só sairá vencedor se conquistar 50% dos votos válidos mais um. A margem de erro das pesquisas é de três pontos percentuais para cima ou para baixo.
Segundo o mestre em comunicação política e governança pela George Washington University (EUA) Aurélio Maduro, Ibaneis está numa situação confortável desde o primeiro turno, mas a virada de jogo não é algo impossível.
“A questão primordial é que a intenção de voto não é o único índice que Rollemberg teria de mudar. O governador precisaria reverter a alta rejeição que ele carrega desde o início da campanha e, que desde então, está praticamente estagnada”, explicou o especialista. Ao Ibope, 59% dos entrevistados disseram não votar no socialista “de jeito nenhum”.
Para Aurélio Maduro, a falta de reforços políticos na campanha do gestor prejudica o crescimento dele. “Ainda que a gente saiba que o eleitor esteja revoltado e não tem dado importância para apoios de ex-candidatos ou de nomes eleitos, a falta desses gestos e declarações, por menor que seja, impacta de forma negativa”, disse.
Disputas acirradasAs eleições ao Governo do Distrito Federal terminaram quase sempre no segundo turno. De 1994 até hoje, apenas em 2010 o pleito terminou antecipadamente, com a vitória de José Roberto Arruda (PR). No entanto, esta é a primeira vez que os dois candidatos chegam à final eleitoral com números tão díspares.
De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ibaneis foi escolhido por 634.008 eleitores em 7 de outubro, o correspondente a 41,97% dos votos válidos. Em segundo lugar, Rollemberg contabilizou 210.510 sufrágios (13,94%).
Nos tempos de polarização entre azuis e vermelhos (uma referência ao grupo de Joaquim Roriz contra os candidatos do Partido dos Trabalhadores), as brigas pela principal cadeira do Palácio do Buriti sempre foram mais acirradas e os então líderes tiveram de lutar voto a voto pela vitória.

ISTOCK

Em 1994, o candidato de Roriz, Valmir Campelo, representou o PTB na disputa com o então desconhecido Cristovam Buarque (à época no PT). O segundo turno foi anunciado com uma diferença de pouco mais de 2% entre os adversários, com vantagem ao então petebista. O representante vermelho, contudo, virou o placar e venceu com 53,89% dos votos válidos, contra 46,11% do adversário.
Reeleições
Ao tentar a reeleição contra o próprio Joaquim Roriz, Cristovam não teve a mesma sorte. Ele chegou a fechar o resultado do primeiro turno com 42,67% contra 39,23% do então emedebista. No final do jogo, Roriz tomou a liderança com 51,74% a 48,26%.
Na eleição seguinte, em 2002, o ex-governador decidiu buscar a reeleição. O PT, naquele ano, escolheu o candidato Geraldo Magela. O azul venceu o primeiro turno com resultados bastante apertados: 42,98% contra 40,87%. No segundo turno, Roriz conseguiu a reeleição com 50,62% a 49,38% do petista
Em 2006, o ex-governador indicou sua então vice Maria de Lourdes Abadia, pelo PSDB, ao GDF e decidiu encarar o Senado. Eleito com grande votação para o Congresso Nacional, ele acabou dividindo o apoio ao Buriti, mesmo de forma velada, entre a indicada e José Roberto Arruda (PR), que acabou vencendo no primeiro turno, com 50,38%.
A volta dos vermelhosAbatido pela Operação Caixa de Pandora, Arruda ficou impedido de concorrer à reeleição. Foi então que o PT conseguiu voltar ao poder com Agnelo Queiroz, ao lado do PMDB de Tadeu Filippelli. Também impedido pela Lei da Ficha Limpa de concorrer ao GDF, pelo caso conhecido como Bezerra de Ouro, Roriz escolheu a mulher Weslian para substituí-lo na campanha.
O petista encerrou o primeiro turno com 48,41%, contra 31,50% da ex-primeira-dama, uma diferença de pouco mais de 16 pontos percentuais. Na segunda fase do pleito, a preferência do eleitorado foi referendada e Agnelo venceu com 66,10% a 33,90%.
Com uma alta rejeição no fim do mandato, o petista não conseguiu se manter no governo e amargou um terceiro lugar no primeiro turno das eleições de 2014. Rollemberg foi para o segundo turno com Jofran Frejat (PR) com uma liderança de pouco mais de 17 pontos percentuais (45,23% a 27,97%). Apesar da diferença ter sido reduzida no segundo turno, o socialista saiu vitorioso com 55,56%. Agora, ele tem um cenário bem distinto a enfrentar.

https://www.metropoles.com/distrito-federal/eleicoes-2018-distrito-federal/para-virar-o-jogo-rhttps://www.metropoles.com/distrito-federal/eleicoes-2018-distrito-federal/para-virar-o-jogo-rollemberg-precisa-conquistar-50-mil-votos-por-diaollemberg-precisa-conquistar-50-mil-votos-por-dia
your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior

Publicidade