banner

sexta-feira, 19 de abril de 2019

author photo
Por Gil Alessi, Do El País Elisandra Carolina dos Santos durante palestra (Foto: CLARA CLOCK)

“Um ‘cidadão de bem’ armado me deixou paraplégica e matou meu namorado por ciúmes”
Elisandra Carolina dos Santos, 37 anos, foi atingida por um tiro quando tinha 17 anos, disparado por um ex-namorado. Ela, que não anda há 20 anos, teme que facilitar acesso às armas aumente feminicídios

Elisandra Carolina dos Santos carrega no corpo e na alma as cicatrizes provocadas por um “cidadão de bem”. Era domingo, 23 de abril de 2000, 8 horas da manhã. Ela, então com 17 anos, dormia com o namorado na casa da família em Viamão, periferia de Porto Alegre, quando foi acordada por alguém batendo na porta. Ao se aproximar para abrir, previu o pior: “Pela silhueta na porta de vidro eu já percebi quem era”, conta. O ex-namorado J. A.*, 15, queria reatar o relacionamento, terminado semanas antes. “Levei ele para o quintal para conversar e falei pra ele começar vida nova e ir embora. Foi aí que ele tirou uma arma da mochila”, diz Elisandra.
A jovem se desespera, mas consegue convencer seu ex a partir. Assim que ele dá as costas ela corre para dentro de casa e tranca a porta. “Lembrei que a janela do quarto dos meus pais, que estavam viajando, tinha ficado aberta também e fui fechar”, diz. Enquanto puxava a veneziana, J.A. aparece do lado de fora e coloca o revólver em sua cabeça.
Marcelo, então namorado da jovem, acordou e foi ver o que estava acontecendo no quarto ao lado. Ao vê-lo, J.A. afirma: “Eu vou entrar aí dentro e vou matar vocês dois”. Elisandra se vira e corre em direção ao namorado. No entanto, conseguiu dar apenas alguns passos antes de ser alvejada: o tiro entrou pelo lado direito das costas, na base da coluna cervical, estraçalhou a vértebra T-2, e saiu pelo lado esquerdo do pescoço. “Quando eu dei as costas e corri ele mirou na minha cabeça e atirou. Perdi o movimento na hora. Ainda vi o Marcelo a menos de um metro de mim, mas não consegui falar nada. Quando caí eu fechei os olhos e não escutei mais nada”, lembra.

Leia a matéria completa em El País
your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior

Publicidade