( 00:00:00 )

segunda-feira, 1 de julho de 2019

author photo

Desta vez integrantes das comissões de Constituição e Justiça, Trabalho, Direitos Humanos e Fiscalização Financeira e Controle o inquirirão
O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, deve ser ouvido nesta terça-feira (2) por quatro comissões da Câmara dos Deputados sobre as conversas vazadas pelo site The Intercept Brasil no período em que ele ainda julgava os casos da Operação Lava Jato. A audiência está marcada para as 14h.
Moro será ouvido por parlamentares de quatro colegiados: Constituição e Justiça, Trabalho, Direitos Humanos e Fiscalização Financeira e Controle.
O ex-juiz havia marcado o depoimento para a última quarta (26), mas declinou da audiência justificando ter uma viagem marcada para os Estados Unidos.
O cancelamento revoltou o presidente da Comissão de Direitos Humanos, Helder Salomão (PT-ES).
“Alguns deputados e as próprias comissões estão buscando entender por que o ministro não compareceu. Ele deve explicações à sociedade brasileira. Ele precisa se explicar. Ele precisa explicar os bastidores da Lava Jato.”
O vazamento de mensagens atribuídas a Moro sugere que o ministro teria agido em conjunto com o Ministério Público em processos da Operação Lava Jato.
Na última vez que falou a parlamentares, no último dia 19, em uma audiência convocada pelo Senado, o ministro alegou que as conversas divulgadas pelo site não demonstravam desvios ou infrações e que haveria um grupo criminoso criado para invalidar suas decisões quando juiz.
Pacote Anticrime
A terça também será importante para Moro no Congresso porque o projeto apresentado por ele conhecido como “pacote anticrime” deve ter um parecer apresentado no grupo de trabalho criado para avaliar a proposta.
Segundo o relator da medida, deputado Capitão Augusto (PL-SP), os deputados são favoráveis a 80% das mudanças que o texto propõe. A reunião do grupo deve acontecer às 10h.
O texto proposto por Moro sugere mudanças em 14 leis relacionadas a crimes como tráfico de drogas, formação de quadrilha e corrupção.Com informações da Agência Câmara.

Redação
your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior