Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Últimas notícias

latest

Renata, 29ª vítima de feminicídio neste ano, vivia rotina de agressões

Renata, 29ª vítima de feminicídio neste ano, vivia rotina de agressões Os feminicídios no DF chegam a 29 casos, um a mais do que todo o an...


Renata, 29ª vítima de feminicídio neste ano, vivia rotina de agressões
Os feminicídios no DF chegam a 29 casos, um a mais do que todo o ano de 2018. A vítima mais recente, Renata Alves, 29 anos, vivia rotina de agressões antes de ser assassinada em casa. O marido, Edson Gomes, 43, é o principal suspeito
O Distrito Federal registrou mais um feminicídio, chegando a 29 casos este ano, conforme levantamento do Correio. O número supera os 12 meses de 2018, quando houve 28 mulheres mortas por questões de gênero. Este é o número mais alto desde que a Lei do Feminicídio entrou em vigor, em 2015. O caso mais recente ocorreu na noite de sexta-feira. A dona de casa Renata Alves dos Santos, 29 anos, foi assassinada. O companheiro, o entregador Edson dos Santos Justiniano Gomes, 43, é o principal suspeito, segundo a Polícia Civil do DF. Investigação aponta que ele espancou a mulher, em frente à mãe dela. Ele foi preso.
Conforme apuração da 30ª Delegacia de Polícia (São Sebastião), Edson e Renata tinham saído mais cedo de casa, localizada na Rua 8 da Quadra 19 do Núcleo Rural Morro da Cruz, para irem a um bar da região. Eles ficaram no local até a noite, quando decidiram retornar para a residência, onde estava a mãe da vítima, Judite Alves dos Santos, 68.
O delegado Rosenilton Garcia explicou que a idosa não conseguiu identificar o motivo da discussão. “Ela nos relatou que Renata e Edson estavam alterados e, por isso, não pôde precisar como começou a briga. Contudo, ela nos disse que, durante o desentendimento, os dois se agrediram. A mãe da jovem tentou impedir o crime, mas, por ser idosa, não teve forças. Edson deu socos na testa e no rosto da vítima, que caiu desmaiada. Sem que a mulher tivesse qualquer chance de defesa, o homem a agarrou pelas orelhas e bateu com a cabeça dela inúmeras vezes na mesa de mármore”, contou.
Renata foi deixada no chão da sala e a mãe tentou reanimá-la, jogando água. Apesar dos esforços, a vítima não reagiu. Em meio ao desespero, Edson ainda teria ameaçado Judite de morte. “Em depoimento na delegacia, a mãe de Renata nos disse que o genro afirmou que, se ela contasse o que ele tinha feito, a idosa teria o mesmo fim da filha. Por isso, a mãe tentou manter a calma. Só quando Edson acabou cochilando, próximo ao corpo da companheira, foi que Judite conseguiu sair para pedir ajuda”, relatou Garcia.
Judite saiu pelo portão da casa, que dá acesso a uma rua de terra batida. Desesperada, ela subiu a rua e conseguiu encontrar um vizinho, acompanhado de um colega. O homem, de 42 anos, relatou ao Correio que a idosa alegou que Renata tinha sofrido um acidente. “Ela disse que a filha tinha brigado com o Edson e, nisso, batido a cabeça e desmaiado. De primeiro, achei estranha a história. Meu colega não queria que eu fosse ao local, por causa da situação. Mas disse que tinha uma vida em risco e não viraria as costas”, disse o auxiliar de serviços gerais, que pediu anonimato.
O vizinho entrou na residência e encontrou Renata no chão. Edson já estava em pé, do outro lado da mesa. “Quando eu vi a mulher, notei que não tinha o que ser feito. Judite ainda acreditava que a filha estivesse viva. Eu me aproximei e toquei no pulso de Renata, mas não tinha sinais vitais e ela estava fria. Foi quando disse que precisávamos chamar os bombeiros”, relembrou.
Socorristas do Corpo de Bombeiros chegaram à residência e confirmaram a morte da jovem. Durante o atendimento, os profissionais notaram sinais de violência no corpo da mulher e impediram Edson de deixar o local. A Polícia Militar chegou na casa às 22h10 e prendeu o companheiro de Renata em flagrante por feminicídio. Ele, Judite e o vizinho foram levados até a 30ª DP.
De acordo com o delegado Rosenilton Garcia, o suspeito não conseguiu falar sobre o caso. “Após escutarmos Judite e o vizinho, fomos chamar o Edson. Ele estava muito embriagado e entrou em um sono profundo. Fizemos de tudo para acordá-lo, mas não foi possível. Como tínhamos elementos que comprovaram o feminicídio, representamos pela prisão preventiva dele, a qual deverá ser analisada em audiência de custódia”, frisou.
Brigas
Edson Gomes e Renata dos Santos estavam juntos havia pouco mais de um ano. Durante a união, viveram em São Sebastião e, no começo do ano, alugaram a casa no Núcleo Rural Morro da Cruz, também na cidade. Relato de um familiar e dois boletins registrados na 30ª DP indicam um relacionamento conturbado, com brigas constantes. As motivações dos desentendimentos eram os ciúmes que o entregador sentia da companheira.
O tio da vítima, o aposentado Sílvio Alves Santos, 64, contou que Renata tinha sido agredida por Edson durante todo o casamento. “Ele chegou a enforcá-la algumas vezes e tentávamos intervir para o fim do relacionamento, mas não adiantava. Por vários momentos falávamos que essas brigas acabariam em uma tragédia, mas nem ele ou a minha sobrinha escutavam os conselhos”, argumentou.
Edson tem dois boletins de ocorrência registrados na 30ª DP, os quais indicam Renata como vítima. Entretanto, o delegado Rosenilton Garcia destacou que os casos chegaram à unidade policial por intermédio de terceiros, não por iniciativa da vítima. Ela não chegou a pedir medidas protetivas em nenhuma ocasião.
Em 20 de janeiro deste ano, a dona de casa chegou na delegacia com as costas queimadas. “Eles tinham brigado e, então, ela saiu gritando da residência, pegando fogo. A Renata conseguiu ser socorrida, mas chegou a ficar com as marcas”, contou o vizinho, em anonimato. Contudo, quando a jovem deu a versão dela aos investigadores da Polícia Civil, disse que tinha sofrido um acidente, como explicou o delegado Garcia.
“Ela narrou que estava bebendo com o companheiro e eles acabaram discutindo. Em meio à briga, Renata disse ter se molhado com álcool e, no momento em que foi fumar, o calor do cigarro teria ocasionado o fogo. A versão foi mantida por Edson e, por isso, a ocorrência ficou apenas como em apuração”, salientou o investigador.
Em 22 de setembro, o casal parou novamente na polícia. Dessa vez, Edson teria agredido Renata com murros. “Ela correu até a casa de uma amiga, onde pediu ajuda. Mas ela dificultou todo o processo da ocorrência, alegando que não queria fazer nada contra o companheiro, que era quem a ajudava. Ela chegou a fugir da delegacia antes que a encaminhássemos para o exame de corpo de delito no Instituto de Medicina Legal. As provas anexadas ao processo foram as fotos tiradas na delegacia”, acrescentou Garcia.
Edson chegou a ser preso em flagrante e encaminhado para o Departamento de Controle e Custódia de Presos, no Complexo da Polícia Civil. Em 24 de setembro, ele passou por audiência de custódia, presidida pela juíza Lorena Alves Campos. A magistrada decidiu por colocar o acusado em liberdade. Consta do processo disponível no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios que a decisão foi baseada na “ausência de pedido de medidas protetivas”.