Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Classic Header

{fbt_classic_header}

Últimas notícias

latest

Caso Bernardo: PCDF confirma que corpo encontrado na Bahia é do menino

Caso Bernardo: PCDF confirma que corpo encontrado na Bahia é do menino Exame de DNA realizado neste sábado (7/12) confirmou as suspeitas. ...


Caso Bernardo: PCDF confirma que corpo encontrado na Bahia é do menino
Exame de DNA realizado neste sábado (7/12) confirmou as suspeitas.
A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) confirmou que o corpo encontrado na Bahia é do menino Bernardo, de 1 ano e 11 meses. Exames de DNA feitos neste sábado (7/12) no Instituto de Pesquisa de DNA Forense confirmaram as suspeitas. O material chegou ao DF na manhã deste sábado, trazido da Bahia por agentes da Polícia Civil e pelo delegado Leandro Ritt, chefe da Divisão de Repressão ao Sequestro (DRS).
"Utilizando de técnicas avançadas de genética forense, os exames foram concluídos em menos de seis horas, inclusive com o laudo já redigido, confirmando a identificação genética", informou a PCDF, em nota.

Samuel Ferreira (E), do IPDNA, que avaliou o material genético, ao lado do delegado Leandro Ritt (D)(foto: Polícia Civil/Divulgação)
Continua depois da publicidade
Relembre o casoBernardo, 1 ano e 11 meses, está desaparecido desde 29 de novembro. O pai da criança, Paulo Roberto de Caldas Osório, 45, buscou o menino, de carro, em uma creche na 906 Sul. A caminho de casa, deu um suco de uva para a criança com três pílulas de remédio de uso controlado, diluídas à bebida.
Mais tarde, Paulo mandou uma mensagem para a mãe do garoto, Tatiana da Silva Marques, 30, dizendo que seguiam rumo à casa dela, no Lago Sul. No entanto, eles estavam a caminho da Bahia. Durante a viagem, o metroviário, segundo contou em depoimento, parou na BR-020 para abastecer e percebeu que o filho estava morto e o jogou em um matagal na beira de uma estrada.
Na manhã de 2 de dezembro, agentes da DRS prenderam Paulo e ele confessou que havia matado o filho. Durante as investigações, a Polícia Civil divulgou que Paulo Osório cometeu outro crime, em 1992. Ele foi condenado por matar a própria mãe a facadas. Cumpriu 10 anos de reclusão em uma ala psiquiátrica no Centro de Internamento e Reeducação (CIR), no Complexo Penitenciário da Papuda.
Processo desarquivado
Paulo foi condenado por matar a mãe em 1992, com cinco facadas. Neste sábado (7/12), o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) desarquivou o processo do assassinato
de Neuza Maria Alves, 45 anos.

Nenhum comentário