Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Classic Header

{fbt_classic_header}

Últimas notícias

latest

Genival Cruz recebeu ligação e mensagem uma semana depois do presidente do Sincotrap ter o carro incendiado.

Genival Cruz recebeu ligação e mensagem uma semana depois do presidente do Sincotrap ter o carro incendiado. Por SELES NAFES Depois do ate...

Genival Cruz recebeu ligação e mensagem uma semana depois do presidente do Sincotrap ter o carro incendiado.
Por SELES NAFES
Depois do atentado que terminou com a destruição do carro do presidente do Sindicato dos Rodoviários do Amapá (Sincotrap), foi a vez do vice-presidente da entidade sofrer uma grave ameaça de morte. Genival Cruz, de 41 anos, registrou queixa na Polícia Civil que abriu inquérito para investigar os crimes.
A ameaça ocorreu por telefone na última segunda-feira (23), por volta das 15h. Primeiro foi uma ligação onde um homem afirmava que Genival não estaria vivo no dia seguinte. A mesma ameaça foi repetida por mensagem de texto.
“Disseram que o que fizeram com o carro do presidente foi só um susto. Que eu não passaria da madrugada de terça-feira (24), que iam me passar o sal”, lembra o sindicalista.
Mensagem enviada ao celular de Genival Cruz
Na madrugada do último dia 17, o presidente do Sincotrap, Max Délis, teve o carro incendiado em frente ao apartamento onde mora, no conjunto Macapaba, zona norte de Macapá.
O ataque ocorreu durante a madrugada e foi filmado pela câmera de segurança de outro apartamento. Horas antes, dois homens tinham ido até a sede do sindicato e chutaram com violência o portão do prédio. Eles foram embora após a intervenção de um vigilante.
Carro do presidente do sindicato foi incendiado no dia 17 de dezembro. Foto: Marco Antônio P.Costa
Max Delis teve o carro incendiado. Polícia investiga o caso. 
Foto: Marco Antônio P. Costa/SN
Cautela
Cauteloso, o vice-presidente do Sincotrap, que já disputou eleições municipais e estaduais, preferiu não fazer acusações.
“Tem a ver com as nossas lutas contra as elites”, resumiu.
Ele registrou queixa no Ciosp do Pacoval e depois foi recebido pessoalmente pelo secretário de Justiça e Segurança Pública, coronel Carlos Souza.
Genival Cruz também comunicou a executiva nacional do PSTU e as centrais sindicais, que iniciaram uma campanha nacional de denúncias, e ainda encaminharam o caso ao ministro da Justiça, Sérgio Moro.
“Estamos vivendo uma conjuntura nacional difícil com assassinato de líderes sociais, e não dá para ignorar uma ameaça grave como essa”, concluiu.

Nenhum comentário