Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Classic Header

{fbt_classic_header}

Últimas notícias

latest

MAIS LIDAS Filha de Kelly Key usa fio-dental e empina bumbum em foto ousada Geisy Arruda mostra o bumbum e deixa escapar marquinhas de bronze “Calma, brother”, gritou personal antes de ser assassinado no DF Veja quem são os mortos em tumulto de baile funk em Paraisópolis BRASIL VER TODAS DIREITOS HUMANOS Presidente da Funarte: Deus inventou a música, diabo a corrompeu

Presidente da Funarte: Deus inventou a música, diabo a corrompeu Em canal no YouTube, Dante Mantovani dá avaliações como a que atribui ao ...


Presidente da Funarte: Deus inventou a música, diabo a corrompeu
Em canal no YouTube, Dante Mantovani dá avaliações como a que atribui ao funk responsabilidade pela "situação caótica do Rio de Janeiro"
A nomeação do maestro Dante Mantovani para a presidência da Fundação Nacional de Artes (Funarte), confirmada nessa segunda-feira (02/12/2019), gerou uma onda de críticas (e piadas na internet) porque o escolhido defendeu em vídeos postados no YouTube teses como a relação entre rock, drogas, aborto e satanismo. Uma análise mais profunda no canal do profissional no site, porém, mostra que as opiniões polêmicas dele vão bem além dessas questões mais… folclóricas. Em um vídeo com o título Quem inventou a música?, por exemplo, Mantovani liga a produção e o consumo de funk à “situação caótica” no Rio de Janeiro e chega a avaliar que o ritmo motiva crimes como estupros coletivos.
O vídeo, postado há quase um ano, registra uma espécie de aula ou palestra de Mantovani para educadores. Ao responder a pergunta feita no título, o novo presidente da Funarte sustenta: a música foi inventada por Deus, mas corrompida pelo diabo.
“O funk foi declarado patrimônio cultural. A Assembleia Legislativa decretou patrimônio cultural no estado do Rio de Janeiro, que é o estado mais violento, que tem mais mortes, onde mais se mata policial, onde o tráfico de drogas manda em tudo”, avalia. “É um estado que tem coisas maravilhosas, tem gente muito boa lá, mas a música que eles ouvem determina o fato que eles estão numa situação caótica, isso é muito evidente”, complementa.
Em seguida, Mantovani relaciona um caso de estupro coletivo na capital fluminense ao ritmo musical. “Esse pessoal que escuta funk, vocês podem ver… A moça estuprada por 30 pessoas; [os estupradores] tavam ouvindo funk. Era um baile funk”. Ao falar do caso, o profissional pede a alguém para “tapar os ouvidos” de uma criança que aparece na cena, o que não é feito.
Essa e outras passagens controversas do pensamento do novo presidente do órgão responsável por “promover e incentivar a produção, a prática, o desenvolvimento e a difusão das artes no país” foram reunidas pelo Metrópoles em um único vídeo, veja:

Nenhum comentário