Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Classic Header

{fbt_classic_header}

Últimas notícias

latest

Hezbollah diz que soldados americanos voltarão aos EUA em caixões

Hezbollah diz que soldados americanos voltarão aos EUA em caixões Líder do grupo que atua no Líbano defendeu ataques militares a estadunid...


Hezbollah diz que soldados americanos voltarão aos EUA em caixões
Líder do grupo que atua no Líbano defendeu ataques militares a estadunidenses para que eles deixem o Oriente Médio "humilhados e derrotados"
Na esteira da morte do general iraniano Qassim Suleimani, o líder do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrallah, afirmou, no primeiro discurso televisionado após o episódio, que soldados e oficiais voltariam para casa “em caixões”. Para ele, não só o Irã deveria dar uma resposta ao assassinato, mas também os aliados do país persa – incluindo o Líbano, onde atua o Hezbollah.
Ao mesmo tempo em que o presidente dos EUA, Donald Trump, ameaça atacar 52 alvos do Irã, Sayyed listou bases militares dos EUA, navios e contingentes de soldados que podem ser atacados. O líder do Hezbollah considerou que ações contra a presença militar estadunidense seriam uma “justa punição”.
“Quando os caixões de soldados e oficiais americanos começarem a ser transportados aos Estados Unidos, Trump e sua administração vão se dar conta de que eles realmente perderam a região e vão perder as eleições”, afirmou ele, lembrando que Trump disputa, em 2020, a reeleição.
Adotando tal estratégia, aposta, os estadunidenses serão forçados a se retirar “humilhados, derrotados e aterrorizados, como eles fizeram no passado”. Segundo o canal France 24, apesar de defender a ofensiva contra soldados americanos, ele disse que civis não devem ser alvo do Hezbollah.
Sayyed também chamou o ataque contra Suleimani de “claro e flagrante crime” que vai “transformar o Oriente Médio”. “O assassinato marca uma nova fase e uma nova história não só para o Irã e para o Iraque, mas para toda a região”, declarou.
Algum tempo antes de o Parlamento iraquiano aprovar uma resolução para que o governo expulsasse tropas estrangeiras do país, Sayyed pediu que o Iraque “se liberte da ocupação dos EUA”.

Nenhum comentário