Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Últimas notícias

latest

Acusado de matar dois chefes do PCC é trazido ao DF

Em 2018, Carlenilto Pereira Maltas tirou a vida de dois dos dez maiores líderes da facção. Agora, ele está na Penitenciária Federal de Brasí...


Em 2018, Carlenilto Pereira Maltas tirou a vida de dois dos dez maiores líderes da facção. Agora, ele está na Penitenciária Federal de Brasília
Um homem acusado de matar dois chefes do Primeiro Comando da Capital (PCC) foi transferido para a Penitenciária Federal de Brasília. Carlenilto Pereira Maltas é um dos 10 apontados de tirar a vida de Gegê do Mangue e Paca, membros da alta cúpula da facção criminosa.
Carlenito estava preso na Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Jucá Neto, em Itaitinga-CE. Ele foi transferido no último dia 11 de dezembro para a Penitenciária Federal. Na mesma unidade, estão presos membros do PCC, como o líder Marcos William Herbas Camacho, o ‘Marcola’.
A 15ª Vara da Justiça Federal de Brasília não revelou o motivo da transferência pelo fato de o caso correr em segredo de Justiça.
O caso
O crime ocorreu em fevereiro de 2018. Carlenito e outros suspeitos armaram uma emboscada para as vítimas. Após uma viagem de helicóptero onde todos estavam juntos, o duplo homicídio foi cometido. Os corpos de Rogério Jeremias de Simone (Gegê do Mangue) e Fabiano Alves de Souza (Paca) foram encontrados em uma reserva indígena de Aquirraz-CE, sem identificação. Gegê e Paca foram mortos com tiros no rosto e facadas no olho.

À época, o crime chocou as autoridades. “Gegê era considerado o número 1 do PCC em liberade, abaixo apenas do Marcola. O Paca estava entre os seis da facção”, afirmou o promotor de Justiça Lincoln Gakiya, ao G1.

Não há indícios de que o crime tenha ocorrido por rivalidade entre facções. Autoridades apontam que apenas membros do próprio PCC sabiam que Gegê e Paca estariam no Ceará. Ainda não se tem certeza, no entanto, de que Carlenito e demais suspeitos são membros da facção. Como dito anteriormente, o processo corre em segredo de Justiça.

Fonte: Jornal de Brasília 

Nenhum comentário