Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Últimas notícias

latest

PUBLICIDADE Um série de obras de arte foi apreendida pela Polícia Federal em endereços ligados aos filhos do ex-senador e ex-ministro Edison Lobão, nesta semana. O documento cita uma lista assinada por peritos da PF com 105 obras de arte encontradas no apartamento de Márcio Lobão, filho do ex-ministro, sem deixar claro quais obras foram apreendidas. Constam no documento obras de grandes nomes da arte moderna e contemporânea do país. A coleção inclui as neoconcretistas Lygia Clark e Lygia Pape, hipervalorizadas no mercado mundial, além de outros nomes de peso como Cildo Meireles, Adriana Varejão, Vik Muniz, Beatriz Milhazes, Osgêmeos, Iberê Camargo, Antonio Bandeira, Jac Leirner, Leonilson, Ivan Serpa, Wanda Pimentel, Alfredo Ceschiatti e Maria Nepomuceno. PUBLICIDADE A lista não deixa claro, no entanto, se todas essas obras foram subfaturadas num suposto esquema de lavagem de dinheiro. Os mandados de busca e apreensão fizeram parte da 79ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Vernissage, que apura suposta prática de lavagem de dinheiro pelo ex-ministro e seus filhos Márcio Lobão e Edison Lobão Filho. CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Segundo o MPF, obras de três artistas contemporâneas brasileiras -Sandra Cinto, Mariana Palma e Vânia Mignone- foram usadas em esquema de lavagem de dinheiro de propina em subsidiária da Petrobras. De acordo com o pedido de busca e apreensão feito pelo MPF, os galeristas Ricardo Trevisan e Rodrigo Editore, da Casa Triângulo, procuraram o Ministério Público Federal para confessar que teriam praticado o crime de lavagem de dinheiro, além firmar um acordo para trancar a ação penal, segundo documento obtido pela reportagem. CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Trevisan e Editore relatam que venderam obras a Márcio Lobão -duas de Mariana Palma, uma de Sandra Cinto e um conjunto de seis desenhos da artista Vânia Mignone. A obra de Sandra Cinto teria sido vendida em dólares e em espécie, por um total US$ 76,5 mil, em valores de 2013. Editore apresentou capturas de tela de conversas via WhatsApp com Márcio Lobão. Nos diálogos, os dólares em espécie são chamados de “chocolates”. “Estou aqui no aeroporto à espera. Te aviso. Preciso te encontrar no aeroporto. Se conseguir embarcar, não terei muito tempo. Estou levando seus chocolates e não poderei carregar eles pela cidade e ou entregar para teu motorista, corre o risco de ele comê-los todos”, diz mensagem enviada a Editore, cuja autoria é atribuída a Márcio Lobão. CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Ao MPF, Trevisan e Editore afirmaram que realizaram a venda de duas obras de Mariana Palma por um valor efetivo de R$ 130 mil, mas que só foram declarados na nota fiscal um total de R$ 65 mil. O valor real da venda dos desenhos de Vânia Mignone foi de R$ 70 mil, sendo que o valor declarado na nota fiscal teria sido R$ 50 mil. CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE > Lobão e os filhos estariam envolvidos num esquema de pagamento de propina para diretores e servidores da Transpetro, responsável pelo transporte e logística do combustível no país, além de terem uma suposta ligação com lavagem de dinheiro por meio da venda de imóveis e obras de artes. O esquema fraudava licitações mediante pagamento de propina a executivos da Petrobras, segundo a acusação. Ainda de acordo com o MPF, Márcio Lobão condicionava o pagamento das obras ao lançamento de um valor de aquisição diferente nas notas fiscais, com o objetivo de lavar o dinheiro em espécie recebido a título de propina no esquema da Transpetro. CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE “Tiramos nota de menor valor nos quadros para reduzir impostos. Vocês ganham no não pagamento de impostos”, teria escrito Márcio Lobão a um dos galeristas. As buscas foram feitas no Rio de Janeiro e em São Luís, Brasília, São Paulo e Angra dos Reis, no litoral fluminense. Segundo o MPF, o mandado de busca e apreensão era necessário pois o conjunto de obras “demonstra a reiterada e habitual utilização do mercado de obras de arte e antiguidades para a prática dos crimes de lavagem de dinheiro”. O MPF afirma que as obras serão armazenadas no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba. Segundo a Polícia Federal, também foram apreendidos três veículos de luxo, um helicóptero e documentos, além de ter sido dado um flagrante por posse de arma de fogo calibre 38. CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Em 2019, Márcio Lobão foi detido pela PF e passou três dias na cadeia após ser acusado de envolvimento num esquema de corrupção e lavagem de dinheiro ligado à Transpetro, subsidiária da Petrobras, e à usina hidrelétrica de Belo Monte. A representação do MPF detalhava que ele comprou um quadro da artista Beatriz Milhazes, denominado “A Serpente e o Pássaro”, por R$ 1,295 milhão, pagos em parte com R$ 500 mil repassados pela Odebrecht para Edison. As informações são da FolhaPress

O texto sancionado deve ser publicado na edição de amanhã do Diário Oficial da União (DOU). Bolsonaro vetou parcialmente alguns artigos, mas...


O texto sancionado deve ser publicado na edição de amanhã do Diário Oficial da União (DOU). Bolsonaro vetou parcialmente alguns artigos, mas os dispositivos exatos que foram alvo da ação não foram detalhados no comunicado do órgão
O presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionou nesta quarta-feira, 13, o projeto de socorro a Estados e municípios. O texto reformula o Regime de Recuperação Fiscal (RRF), programa voltado aos Estados superendividados, e ainda concede acesso a crédito àqueles com dívida baixa, mas severos problemas de caixa. O projeto ainda renegociou condições de débitos já acumulados por esses entes.
“Com a sanção presidencial, a concessão dos benefícios aos entes subnacionais nos contratos de refinanciamento com a União estará condicionada à adoção de contrapartidas destinadas à redução dos gastos públicos. O objetivo é assegurar a sustentabilidade econômico-financeira dos Estados e municípios, além de elevar a sua capacidade de pagamento ao longo do tempo”, informou a Secretaria-Geral da Presidência da República.
O texto sancionado deve ser publicado na edição de amanhã do Diário Oficial da União (DOU). Bolsonaro vetou parcialmente alguns artigos, mas os dispositivos exatos que foram alvo da ação não foram detalhados no comunicado do órgão.

Houve ainda dois vetos integrais. Um deles mirou o artigo que permitia aos Estados e municípios suspender pagamentos de dívidas com organismos multilaterais no ano de 2021 sem terem suas receitas, dadas como contragarantia, bloqueadas. A União ficaria incumbida de honrar o compromisso, enquanto os governos regionais renegociariam o débitos em condições mais amigáveis.

Segundo a Secretaria-Geral, o veto foi feito porque o artigo viola a Constituição, uma vez que os recursos para a suspensão das cobranças não está previsto no Orçamento. Além disso, o órgão afirmou que há “risco de desequilíbrio das contas públicas”.
Mudanças
O novo Regime de Recuperação Fiscal (RRF), voltado para os Estados superendividados, amplia de seis para nove anos o prazo de duração do plano de reequilíbrio das contas, com alívio na cobrança de dívidas.
As medidas devem viabilizar a adesão dos governos do Rio Grande do Sul e de Minas Gerais, além de um novo plano para o Rio de Janeiro, hoje em dificuldades para honrar o compromisso firmado junto ao Tesouro Nacional em 2017 e que precisaria ser cumprido até 2023.
O Estado de Goiás, que também enfrenta dificuldades e chegou a ingressar no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a antecipação dos benefícios do RRF até sua adesão, pode acabar se credenciando a uma “versão light” do programa, sem suspensão da dívida. O governo estadual, porém, foi contemplado com outra medida.

O projeto prevê um parcelamento em até 30 anos de dívidas contraídas por Estados na década de 1990 e negociadas pela União pela primeira vez na Lei 8.727, de 1993. Naquela época, os governos estaduais contrataram empréstimos para financiar a construção de moradias de baixo custo, mas levaram calote dos beneficiários. A bomba estourou no colo da União.

Como mostrou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), Goiás, Ceará e Espírito Santo têm dívidas relacionadas a essa lei, mas 90% do débito está nas mãos do governo goiano. Além disso, Ceará e Espírito Santo já haviam renegociado quando houve a primeira chance, na aprovação do RRF original em 2017.

De acordo com as fontes ouvidas pela reportagem, Goiás pode ter um alívio de R$ 90 milhões ao ano ao renegociar essa dívida. O Estado também poderá contratar R$ 695 milhões em novos empréstimos graças ao Plano de Promoção do Equilíbrio Fiscal (PEF) de facilitação na concessão de financiamentos – perna do projeto que beneficia outros Estados e municípios.
Recuperação fiscal

O RRF é o regime criado para Estados superendividados e que precisam de alívio temporário em suas dívidas para conseguir reestruturar suas finanças.

No modelo atual, apenas o Rio de Janeiro conseguiu aderir em 2017, mas enfrenta dificuldades para atingir o reequilíbrio no prazo estipulado. Em setembro passado, o Estado completou três anos e teria de voltar a pagar paulatinamente as prestações da dívida, sem ter condições reais de fazer isso.

Os outros dois Estados que pleiteiam o socorro – Minas Gerais e Rio Grande do Sul – enfrentavam problemas para aderir. Por isso, o Congresso flexibilizou a regra de aceso.

Antes, uma das exigências era ter mais de 70% da receita corrente líquida comprometida com despesas com pessoal e gastos com juros e amortização da dívida. Além de relutarem em reconhecer a maquiagem nas despesas com folha de pagamento, Estados como Rio Grande do Sul tinham dificuldades em atingir esse porcentual porque já não estão mais pagando o serviço da dívida com a União.

Por isso, o Congresso mudou essa regra e agora exige que as despesas correntes estejam acima de 95% da receita corrente no ano anterior ao do pedido de adesão ao RRF e que a despesa com pessoal seja maior que 60% da RCL. Será mais fácil cumprir as exigências, segundo apurou a reportagem.

Os Estados terão como recompensa a suspensão total do pagamento da dívida com a União ou avalizada por ela junto a outras instituições no primeiro ano de vigência do regime. Depois disso, o pagamento será retomado numa proporção de 11,11% ao ano, até chegar a 100% após nove anos de recuperação fiscal.

Para permanecer no regime, os Estados se comprometerão com medidas de ajuste que incluem: privatização ou desestatização de empresas ou concessão de serviços e ativos, adoção de regras previdenciárias para servidores idênticas às vigentes na União, redução de ao menos 20% dos incentivos e benefícios fiscais em vigor (deve ser cumprida nos três primeiros anos do plano), revisão de benefícios concedidos para servidores estaduais e que não têm respaldo na legislação federal, instituição de teto de gastos corrigido pela inflação, entre outras.

Fonte: Jornal de Brasília 

Nenhum comentário