Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Últimas notícias

latest

A pré-campanha de 2022 continua, a pandemia vai eleger ou excluir políticos do cenário eleitoral

Brasiliense, 49 anos, casado, pai de três filhos, graduado em ciências naturais e gestão pública. Também é jornalista editor chefe do Porta...

Brasiliense, 49 anos, casado, pai de três filhos, graduado em ciências naturais e gestão pública. Também é jornalista editor chefe do Portal de Noticias BSB Times, especialista em Administração Pública e Gerência de Cidades. Consultor Político e Palestrante do Terceiro Setor. 
Fez Agenda 21 e Coleta Seletiva. 
Foi Conselheiro do CONAM-DF e do CBH-Paranaiba. Ministra cursos de empreendedorismo, economia circular, criativa e compartilhada. Foi Vice-Presidente do Conselho de Desenvolvimento do DF e atualmente é Presidente do Conselho de Desenvolvimento Nacional (CDN) | Foto: Divulgação
Para se amenizar as medidas restritivas é necessário se ter leitos de UTI vazios e muitas vacinas, assim é o foco atual dos políticos
Por Helio Rosa
Políticos de mandato dizem que está cedo pra se fazer campanha, mas não páram suas ações. Sejam nas redes socias ou em suas programações presenciais com eventos de cunho inaugural ou de assistência social.
Cruzamentos de dados de casos de covid-19 e a quantidade de leitos e o tamanho da população e as compras de vacinas têm sido a maior preocupação dos gestores públicos, pois não se equiparam proporcionalmente. Leitos e vacinas são palavras de ordem nesta pandemia para as eleições de 2022.
Enquanto se abrem leitos, os casos de contaminação do coronavírus aumentam de forma exponencial, e quando se chegam as vacinas tem que seguir um cronograma de prioridades, tudo isso atrasa a decisão de reduzir as medidas restritivas, afetando mais ainda a economia.
Só sei dizer que uma mudança importante no rumo dos acontecimentos políticos ocorreram no surgimento desta pandemia, erros e acertos marcam a gestão pública, alguns erram por decretarem lockdown e outros acertam, alguns acertam ao flexibilizarem as restrições, outros erram.
O negócio é continuar abrindo leitos e comprando vacinas, quem sabe assim ao voltar à normalidade o atendimento à saúde melhore, já que sempre esteve na UTI. Esta pandemia será um divisor de águas na vida política!

Fonte: BSB Times 

Nenhum comentário