Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Últimas notícias

latest

EXCLUSIVO: Arbitragem do DF tem representante da Estrutural

Nascida e criada na cidade Estrutural, Kinberlyn Morais Ramos de 25 anos, estreou como assistente (bandeirinha) pela Federação de Futebol do...


Nascida e criada na cidade Estrutural, Kinberlyn Morais Ramos de 25 anos, estreou como assistente (bandeirinha) pela Federação de Futebol do Distrito Federal na principal competição do futebol local, o Candangão 2021. 
Formada em Educação Física pela UNB em 2019 e arbitragem em 2018, Kin (como é carinhosamente chamada pelos colegas de profissão) iniciou sua jornada aceitando um convite do amigo e também árbitro Daniel Henrique (CBF) ainda no ano de 2017. “Trabalhávamos juntos no Centro Olímpico da Estrutural e resolvi aceitar o convite e fazer o curso de formação de árbitros pelo sindicato com intuito de agregar com a faculdade, mas a coisa foi tomando proporção e eu tomando gosto, hoje se tornou também uma profissão!” Lembra a assistente.
Kinberlyn hoje já vive a expectativa de subir mais um degrau e chegar ao sonhado quadro nacional de arbitragem da CBF (confederação brasileira de futebol) e busca isso tendo sempre o apoio dos familiares e colegas do meio. Inclusive, no seu jogo de estréia dia 27 de Fevereiro, a equipe de Santa Maria enfrentou o Unaí no estádio Bezerrão pela segunda rodada do campeonato brasiliense e a nossa jóia formou quarteto com os renomados Rodrigo Raposo (CBF), a assistente da FIFA Leila Cruz (trio principal) e o 4º árbitro Bruno Moura (FFDF). 
 Perguntada sobre a ansiedade da estréia e a responsabilidade, Kin afirmou ter recebido palavras e mensagens de apoio: “ Meus familiares, amigos e a turma da arbitragem me apoiaram o tempo todo antes do jogo, no jogo, o Rodrigo e a Leila com toda a experiência me deixaram bem a vontade!”.
Kinberly, Rodrigo Raposo e Leila Cruz

A professora de educação física hoje se divide entre o trabalho em um clube, os treinos e os jogos. Tem o desejo de ver mais mulheres na arbitragem e quer que o seu feito sirva como estímulo para outras meninas da comunidade onde mora. “Espero que tenham sempre mais cursos para iniciantes e que mais mulheres se interessem e possam exercer essa nobre profissão.” Finaliza esperançosa.

Nenhum comentário