Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Últimas notícias

latest

Votar em Lula é colocar no Planalto um ladrão legalmente condenado pela Justiça brasileira

Nesta semana, o ex-presidente Lula encontrou-se com seu antecessor Fernando Henrique Cardoso Votar em Lula é colocar no Planalto um ladrão l...

Nesta semana, o ex-presidente Lula encontrou-se com seu antecessor Fernando Henrique Cardoso

Votar em Lula é colocar no Planalto um ladrão legalmente condenado pela Justiça brasileira
Prejuízo de Lula no poder é deixar o país exatamente como está, não tocar no Brasil Velho que manda desde sempre; é manter errado, ferozmente, tudo o que está errado.
Prepare-se para lhe oferecerem, a partir de agora e até o dia das eleições para presidente de 2022, o conto do vigário do ano: há um “candidato moderado” na disputa, vão lhe propor os vigaristas, e ele se chama Luís Inácio Lula da Silva. É como um desses telefonemas em que uma moça educadíssima, com voz de artista de novela e alguma explicação muito coerente, diz que você tem um crédito de R$ 1.500 a receber por causa de um erro de lançamento do banco — para receber, basta mandar a senha do seu cartão etc. etc. etc. 
O crédito falso é a história de que Lula virou um modelo de tolerância, de respeito pela opinião alheia e de espírito democrático.
 A senha do cartão é o seu voto para presidente. Estão querendo convencer o público pagante, para começo de conversa, que Lula está botando na caçamba do seu caminhão uma quantidade incalculável de votos do “centro” — é exatamente por isso, aliás, segundo nos dizem os analistas de eleição e os prêmios Nobel de ciência política, que as “pesquisas de intenção de voto” estão dando essa montanha de votos para Lula. 
Não existem tantos lulistas assim no Brasil, nem no mundo; de onde estariam vindo, então, os números publicados pelos institutos? 
Estariam vindo, explica a moça do telefone, dos brasileiros que não querem “extremos”. 
Muitos dos quase 58 milhões que votaram no presidente Jair Bolsonaro, diz ela antes de pedir a senha, se cansaram do seu radicalismo e estão à procura de um sujeito equilibrado, safo e boa gente para 2022. Esse sujeito é Lula.
Ajuda um colosso, é claro, o fato de que os institutos de pesquisa, à essa altura do jogo, não precisam documentar suas descobertas com nenhum elemento de ordem técnica; isso a lei só exige para depois, já mais perto das eleições. 
Por enquanto é um vale-tudo em que qualquer um pode dar como verdade matemática, virtualmente, qualquer número que lhe passar pela telha, sobre qualquer candidato, real ou imaginário. 
Outro passo para criar a fábula de que há um novo Lula na praça, diferente daquele que ameaçava chamar “o exército do Stédile” para castigar os seus inimigos, e vivia dizendo que o problema da Venezuela era ter “democracia demais”, é incluir seu nome entre os possíveis “Bidens brasileiros”. Sim, acredite se quiser: há gente falando, a sério, que o mundo político nacional está preocupadíssimo em encontrar esse possível cruzamento de Atlas com São Francisco de Assis, ou o presidente ideal para qualquer país do planeta — e Lula poderia ser um belo Biden made in Brazil.
Até agora, porém, o comercial mais ambicioso que o Lula moderado colocou no ar foi a visita que fez a Fernando Henrique — mais o aperto de mão que recebeu do seu antecessor e, sobretudo, a inscrição do inimigo de cinco minutos atrás como seu mais recente cabo eleitoral para 2022. Foi um show de “equilíbrio” — ou, talvez mais propriamente, de equilibrismo. 
Fernando Henrique, ao fim deste último número, declarou inclusive que vai votar em Lula no segundo turno, na disputa com Bolsonaro. (FHC ainda achou uma boa ideia fazer um pouco de humor: fez questão de esclarecer aos companheiros tucanos que só votaria em Lula se não houvesse nenhum “candidato do PSDB” na disputa final. 
Poderia ter dito que votará num nome do seu partido se ele aparecer de disco voador no dia da eleição; daria na mesma.)
A sinceridade dessa “moderação” centrista de Lula é exatamente a mesma da sua aliança com Fernando Henrique. 
Lula vai lá, tira retrato e aparece no jornal; ninguém faz o mínimo esforço para lembrar que ele passou os últimos 19 anos, desde que assumiu a presidência da República em 2002, dizendo que recebeu uma “herança maldita” do antecessor. 
Em nenhum momento, desde então, retirou uma sílaba da acusação-insulto que fez; ao apertar a mão de FHC, outro dia, a “herança” continuava “maldita”. 
Qual é o problema? 
A hipocrisia é o mandamento número 1 da vida política brasileira; sem ela ninguém vai a lugar algum. 
Do mesmo jeito que Lula passou a vida falando da “herança maldita”, o PT passou todo o governo de Fernando Henrique exigindo o impeachment; sua palavra de ordem número 1 era “Fora FHC”.
 Lula, até agora, continua convencido de que ele e seu partido agiram com perfeição. 
O homem “de centro” que circula hoje na política brasileira jamais admitiu a vitória do adversário nas eleições presidenciais de 1994; só aceita as derrotas eleitorais porque não tem força militar para virar a mesa e porque o seu dispositivo MST-CUT-OAB-etc. não consegue assustar uma galinha de granja. 
Foi a favor de todas as manobras frustradas de golpe contra o homem de quem hoje aperta a mão. Sua ideia de liberdade de imprensa é o “controle social da mídia” pela máquina sindical do PT. 
É contra a mínima reforma no sistema apodrecido da política brasileira de hoje; tudo tem de ficar absolutamente igual ao que é, sempre. Sua democracia ideal é a da Venezuela.
O prejuízo, como sempre, tem de continuar no lombo da ‘pobrada’
A aposta de Lula — e de todas as forças que querem dar a ele, pela terceira vez, a presidência do Brasil — é que a multidão de brasileiros não-petistas, e os eleitores que estão descontentes com Bolsonaro, ou lhe são francamente hostis, esqueçam o país de 15 anos atrás. 
Têm de esquecer, em primeiro lugar, que votar em Lula é colocar no Palácio do Planalto um ladrão legalmente condenado pela Justiça brasileira, em terceira e última instância, pelas sentenças de nove juízes diferentes. 
Têm de esquecer, a propósito, que ele jamais pode contar para ninguém o fato mais importante da sua vida política atual: o de que os seus grandes protetores são os ministros Gilmar Mendes e Edson Fachin, seguramente dois dos homens mais odiados da opinião pública brasileira. 
Aparecer na rua em companhia deles, então, só em caso de delírio — aliás, se nem ele mesmo, Lula, pode atravessar a pé o Viaduto do Chá, imagine-se com Gilmar e Fachin, um de cada lado.
Vai ser preciso esquecer, mais do que tudo, o que foi realmente o governo de Lula — para não falar no de sua criatura, Dilma Rousseff, autora de uma desgraça econômica pior que a recessão da pandemia 2021-22. 
O problema de Lula, na verdade, não é ser de “esquerda” — ou de “centro”, como ele se apresenta hoje. 
O problema de Lula é que ele vai chamar para o centro do governo brasileiro, mais uma vez, as empreiteiras de obras públicas que mandaram neste país durante os oito anos de seu mandato e os cinco e meio de sua sucessora. 
Vai devolver a Petrobras à novas estrelas do Petrolão — só que agora mais escoladas pelos incômodos que passaram, e sem qualquer receio de uma Lava Jato
Vai trazer de volta as suas equipes de marketing, hoje no exílio, com os bilhões que custarão para o Tesouro Nacional. 
Vai colocar a política externa brasileira, mais uma vez, a serviço de Cuba, seus portos e seus médicos.
O desastre de Lula, na verdade, não será a teoria; será só a prática. 
Ninguém precisa ter medo de que ele tome a propriedade dos ricos, ou baixe um decreto criando o socialismo no Brasil; pode incentivar umas invasões do MST (e principalmente dar dinheiro do Banco do Brasil para os seus chefes) e se exibir de camiseta vermelha aqui e ali, mas é isso. 
O prejuízo de Lula, do PT e de tudo que vem junto com ele, e aí a coisa se conta na casa do trilhão, é deixar o Brasil exatamente como está. 
É não tocar, nem de leve, no Brasil Velho que manda desde sempre, nem nos seus privilégios, e nem na maciça desigualdade que causa na sociedade. É manter errado, ferozmente, tudo o que está errado. 
É socar funcionários e mais funcionários no serviço público — e achar que resolve o problema da distribuição de renda dando aumento para o funcionalismo. 
É ceder, correndo, a todas os pedidos de aumento salarial para procuradores, juízes, ministros de tribunais superiores e todos os demais marqueses da alta burocracia estatal. 
O golpe que estão querendo aplicar é esse — garantir que nada mude para melhor no Brasil. O lucro, e quanto mais lucro melhor, tem de continuar indo para os que sempre lucraram. 
O prejuízo, como sempre, tem de continuar no lombo da pobrada que chacoalha no trem da Central, não tem banco de investimento, nem de qualquer outro tipo, e está condenada a ganhar sempre menos, porque sabe menos e não consegue aprender mais.
O resto é festinha de Lula com FHC.

Fonte: Jovem Pan

Nenhum comentário