Page Nav

HIDE

Últimas notícias

latest
MSP Mercado do Seu Pet

RAÇÃO: PASTEL DOG 25KG ⇒ R$100,00 〉〉〉 BILLY DOG 25KG ⇒ R$110,00 〉〉〉 CAPITÃO DOG 20KG ⇒ R$110,00 〉〉〉 LOVE DOG 25KG ⇒ R$120,00 〉〉〉 BOMGUY CARNE COEX 25KG ⇒ R$155,00 〉〉〉 BESSER NATURAL 25KG ⇒ R$150,00 〉〉〉 FANNY DIA A DIA 25KG ⇒ R$150,00 〉〉〉 BESSER NATURAL 10KG ⇒ R$65,00 〉〉〉 Venha conhecer a loja na QD:03, Conj.10, Loja:21, Str:Norte, Avenida 09 de Julho, Estrutural - DF - Whatsapp (61) 99884-1258

Darcianne Diogo

Assassinos de policial penal teriam comprado casas com dinheiro da vítima Manelito de Lima Júnior e Daniel Amorim estão presos, acusados de ...

Assassinos de policial penal teriam comprado casas com dinheiro da vítima
Manelito de Lima Júnior e Daniel Amorim estão presos, acusados de matar José Françualdo. Segundo a família, os dois teriam desviado cerca de R$ 400 mil da loja da vítima
O assassino confesso Manelito com a vítima Françualdo: relação de confiança - (crédito: Material cedido ao Correio)
Darcianne Diogo 
Presos acusados de assassinar o policial penal do Estado de Goiás José Françualdo Leite Nóbrega, 36 anos, Manelito de Lima Júnior e Daniel Amorim Rosa teriam usado o dinheiro desviado da loja da vítima, onde trabalhavam, para comprar casas em nomes de terceiros, segundo informou a família da vítima ao Correio. A dupla está presa em uma Unidade Prisional de Corumbá de Goiás.
Manelito, apontado como o mentor do crime, era amigo de mais de 15 anos de Françualdo e prestava serviços ao policial na empresa que ele gerenciava, uma loja de aluguel de materiais para construção, em Águas Lindas. Era Manelito o responsável por administrar a área financeira da loja: fazer depósitos, efetuar saques e até guardar altas quantias em casa. “Ele e o Daniel vinham roubando meu irmão há muito tempo. No começo de novembro, o Françualdo disse à esposa que os dois estavam desviando dinheiro há cerca de seis meses”, afirmou José Fagner, um dos irmãos do policial.


O assassino confesso Manelito com a vítima Françualdo: relação de confiançaMaterial cedido ao Correio


Credito: Ed Alves/CB/DA.Press. Cidades. Funcionários de loja articularam assassinato de policial penal. Os dois presos trabalhavam na loja de aluguel de equipamento de construção que José Françualdo administrava.Ed Alves/CB/DA.Press


Credito: Ed Alves/CB/DA.Press. Cidades. Funcionários de loja articularam assassinato de policial penal. Os dois presos trabalhavam na loja de aluguel de equipamento de construção que José Françualdo administrava.Ed Alves/CB/DA.Press


Credito: Ed Alves/CB/DA.Press. Cidades. Funcionários de loja articularam assassinato de policial penal. Os dois presos trabalhavam na loja de aluguel de equipamento de construção que José Françualdo administrava.Ed Alves/CB/DA.Press
Fagner diz que conseguiu levantar informações sobre ao menos três casas compradas por Manelito em nome de terceiros, mas desconfia da compra de mais residências com o dinheiro desviado da loja. Os imóveis teriam sido registrados em nome de outras pessoas para não levantar suspeitas. O fato está em apuração pela Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO).
Cirurgia
Françualdo ajudou financeiramente Manelito, que precisava passar por uma cirurgia de alto custo, segundo a família. Assim que começou a prestar serviços na loja, Manelito teve um grave problema de coluna e não tinha como custear R$ 80 mil para realizar o tratamento. “Meu irmão pagou tudo e deixou ele (Manelito) pagar mensalmente um valor insignificante, praticamente de graça”, disse Fagner.
Execução
A polícia constatou que o policial morreu no mesmo dia em que desapareceu, em 27 de novembro. 
A família relata que o servidor desconfiava de um suposto desvio de dinheiro por parte dos funcionários e, por isso, convocaria uma reunião para tratar sobre as questões financeiras da loja. 
Os encontros ocorriam mensalmente e só participavam os empregados considerados de confiança da vítima.
Na noite de 27 de novembro, Françualdo, como de costume, preparou um churrasco na chácara onde morava, em Águas Lindas, e convocou Manelito, Daniel, e Felipe Nascimento (considerado foragido). De acordo com as investigações, o policial foi surpreendido e assassinado com um tiro nas costas e três no peito. O responsável pelos disparos teria sido Manelito, apontado como o mentor do crime.
Ao ser preso, na noite de sábado, Manelito confessou o crime e deu detalhes à Polícia Civil sobre toda a ação. 
Após a execução, iniciou-se uma força-tarefa por parte dos assassinos para desovar o corpo e limpar a chácara. Segundo as investigações, Daniel e Felipe levaram o corpo até a região de mata, uma antiga cascalheira, e, lá, atearam fogo no cadáver. Manelito, por sua vez, organizou toda a residência, lavou o imóvel e saiu levando o colar, a pulseira de ouro e a pistola do amigo.

Nenhum comentário