banner

sábado, 25 de agosto de 2018

author photo


Além de pagar aluguel para a assessora do PT, Ednalva Franco, os sem-teto eram obrigados a participar dos atos em defesa de Lula e trabalhar nas campanhas eleitorais do PT. Se não participassem eram expulsos das moradias improvisadas e iam direto pro relento.

Um dos moradores disse para a Folha de S. Paulo:

“Quando tinha um ato, eu colocava a camiseta do movimento e ficava perto dela. Fazia questão que ela me visse várias vezes, para eu marcar presença. Depois trocava a camiseta e ia embora.

Outra moradora relata: “Eu trabalhei na última campanha de Fernando Haddad (PT) fazendo boca de urna. Outros tiveram que ir para Brasília por três dias quando a Dilma sofreu o impeachment. Somos obrigados a ir nos atos e, se for preciso, até enfrentar a polícia.”

A assessora do PT admitiu que explorava os moradores.

“Cada movimento social tem suas regras. Apresentamos nossa rotina quando a pessoa ingressa no movimento. A partir de então, se quiser continuar, precisa seguir as regras do grupo.”

your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior

Publicidade