banner

terça-feira, 16 de outubro de 2018

author photo
O jornalista fez história no Aqui agora(foto: SBT/Divulgação )

Morre, aos 78 anos, o repórter policial Gil Gomes
O jornalista estava internado no Hospital São Paulo, na capital paulista
Quem não se lembra do programa policial Aqui agora, do SBT/Alterosa, que foi ao ar durante anos? E mais ainda, do jeito único de Gil Gomes narrar as notícias? O repórter policial morreu na manhã desta terça-feira (16), aos 78 anos. Ele estava internado no Hospital São Paulo, na zona sul da capital paulista. Ainda não foram divuldas informações sobre velório e enterro.

Gil era portador de Parkinson e desde 2005 lutava para combater a doença degenerativa que o fez perder o equilíbrio, além de ter dificuldades de se mover e sofrer com tremores. Uma de suas últimas aparições foi no Domingo Show, da Record, em 2016. Na ocasião, ele declarou que sofreu muito no período que estava longe do trabalho. “Tanta coisa que vivi, senti, chorei. Sou chorão e quando choro eu me revolto. Passei os últimos seis anos sentado em uma poltrona, esperando a morte, mas agora voltei e estou feliz”, contou.
O jornalista era casado com Eliana Izzo, sua segunda mulher, com quem teve duas filhas — Flávia e Nathalie. Antes dela, Gil ficou por 14 anos com a escritora Ana Vitória Vieira Monteiro. Juntos, eles tiveram três filhos: Daniel, Vilma e Guilherme — que morreu ainda jovem vítima de uma hepatite C. O jornalista também deixou quatro netos.
Gil Gomes se tornou um dos grandes nomes do rádio e da televisão brasileira por seu trabalho no jornalismo investigativo. O ex-repórter iniciou sua carreira na extinta Rádio Marconi, na década de 1960. Entre os anos 1991 e 1997, Gil conquistou o grande público na televisão ao integrar o time de repórteres do extinto Aqui Agora, programa do SBT/Alterosa.
Aqui agora
Para se diferenciar do jornalismo sisudo e bem comportado da Rede Globo, em 1991, o SBT/Alterosa criou o jornal diário Aqui Agora como um jornal popular no formato e na linguagem. Entre os convidados para integrar a equipe de locutores e repórteres do jornal estavam Gil aparecendo ao lado de Sônia Abrão, Celso Russomanno, Jacinto Figueira Júnior (o homem do sapato branco) e Wagner Montes, entre tantos outros.
 
 
Como o Aqui Agora dava ênfase a reportagens sobre acidentes graves e crimes, Gil teve um papel destacado: foi onde ele aprimorou o visual, a voz e o gestual que caíram no gosto do grande público e serviram de inspiração para os imitadores dos programas de humor.
Vestido quase sempre com uma camisa de cores berrantes, a mão direita empunhando o microfone e a esquerda gesticulando em horizontal como se alisasse o pelo de um cão, Gil narrava os fatos diretamente na cena do crime com sua voz arrastada e grave, que cresce em volume nos momentos mais dramáticos. Usava frases curtas, que às vezes nem chegava a completar. Nas entrevistas, não adotava uma posição neutra e chegava até a se emocionar diante das vítimas e explodia de indignação diante dos criminosos.
O Aqui Agora fez tanto sucesso que passou mais tarde a ter duas edições diárias. Mas com o aparecimento de concorrentes, foi perdendo audiência e saiu do ar em 1997. Em 1998, Gil Gomes foi contratado pela TV Gazeta para ser repórter do Mulheres.
A Escolinha do Barulho foi ao ar pela Rede Record em 1999 quando a Rede Globo deixou de apresentar a Escolinha do Professor Raimundo e dispensou diversos atores cômicos do elenco, os quais a Record resolveu contratar para fazer um programa semelhante. Como inovação, em vez de um único professor, a Escolinha da Record teve quatro professores fixos: Dedé Santana, Miele, Bemvindo Sequeira e Gil Gomes.

Recentemente, Gil ganhou uma homenagem de Celso Portiolli no SBT/Alterosa(foto: SBT/Divulgação )
your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior

Publicidade