banner

terça-feira, 2 de outubro de 2018

author photo
Foto internet

Sol Nascente alagado
KLEBER LIMA
A lama tomou conta de várias ruas, que ficaram intransitáveis
Comas chuvas dos dois últimos dias,a realidade do Setor Habitacional Sol Nascente mudou de empoeirada para lamacenta. E a previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) sinaliza chuvas intensas até as 8h de hoje, com ventos de 60 km/h. O vigilante João Paulo Fernandes, 36 anos,passou atarde de ontem tirando lama da calçada e da rua para conseguir entrar e sair de casa. “A água desce com toda força de Ceilândia para cá e não temos uma boca de lobo sequer ”, reclamou. A solução foi construir barreiras de contenção com tijolos. 

O governo do Distrito Federal informa ter investido R$ 58,8 milhões em redes de drenagem, lagoas de detenção e lançamentos diretos, além de asfaltos, meio-fios e calçadas —tudo isso no Trecho 1 de Sol Nascente. Porém, ainda há ruas sem asfalto e sem escoamento de águas pluviais. A Secretaria de Estado de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sinesp) afirma que 9%das obras de drenagem estão em andamento no Trecho 2. pavimentação, falta finalizar 45% do serviço. Até o fim do ano, estima a pasta, os trabalhos de vem ser encerrados, ao gasto estimado de R E quanto à pa$ 95,5 milhões. Quem mora no Trecho 3 só verá melhorias em 2019 - até agora, somente 45% das obras de drenagem
estão prontos. A pavimentação, recém-iniciada, e está 3% concluída. O gasto do governo com esse trecho é estimado em R$ 66 milhões. Nos pontos críticos,uma equipe de engenheiros da Sinesp e da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap)fornece tratores para retirar a lama. Em uma das áreas mais prejudicadas pela chuva,um grupo de moradores observava a atuação dos engenheiros. 
Nos dois últimos dias, a Defesa Civil atendeu três famílias moradoras da Chácara 86, no conjunto F, que tiveram as casas alagadas. Segundo o órgão, eles receberam cestas básicas, colchões e cobertores. Segundo a Sinesp, há obras de drenagem e asfalto em andamento em outras regiões do DF: Setor Habitacional Vicente Pires, Bernardo Sayão e Trecho 01 do Corredor Eixo-Oeste, em Ceilândia. Sobre o Sol Nascente, a solução é remediar o problema. “Uma equipe de engenheiros da Secretaria e da Novacap está mapeando pontos críticos e monitorando a situação”, afirma nota emitida pela pasta
your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior

Publicidade