banner

domingo, 21 de outubro de 2018

author photo

Temporal deste domingo deixou ruas do Sol Nascente debaixo d’água
Forte chuva inundou casas e avenidas do setor, em Ceilândia, nesta tarde. Moradores gravaram imagens. Ruas da região viraram um rio
As chuvas deste domingo (21/10) castigaram o Setor Habitacional Sol Nascente, em Ceilândia. No Trecho III, as precipitações alagaram ruas e avenidas, batendo na cintura de quem precisou se deslocar pela região. A enxurrada lamacenta invadiu casas e comércios. A cena foi filmada por moradores, que reagiram indignados à situação. A terceira etapa do setor – a maior e mais populosa – não recebeu melhorias de infraestrutura: só uma rua é pavimentada.

Em uma das imagens, um homem se queixa da falta de melhorias da região. “Essas obras só fez foi atrapalhar. É brincadeira viu irmão [sic]. Isso aqui são as obras do Rollemberg, rapaziada”, comenta o rapaz, que gravou vídeo da enchente. Ele se referia ao impacto, no Trecho III, de obras realizadas nos dois outros setores do Sol Nascente pelo Governo do Distrito Federal.
Em outras filmagens encaminhadas por moradores do local ao Metrópoles, é possível ver pessoas caminhando com a água na altura da cintura. Um jovem chegou a se pendurar nas grades de sua casa para sair do caos. Além de adentrar nas residências, a água corria com tal força que causou erosões no asfalto.

Assista aos vídeos:


Obras

O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) sempre apontou as obras de infraestrutura do Setor Habitacional Sol Nascente como um dos empreendimentos mais importantes de sua gestão. O governo atual diz ter investido mais de R$ 220 milhões ali – sendo 75% da Caixa Econômica Federal, e garante que 100% do Trecho I está pavimentado.
As intervenções na região ilustraram as primeiras propagandas eleitorais do candidato à reeleição e a comunidade foi escolhida como palco do primeiro compromisso de campanha no primeiro turno. A resposta nas urnas, no entanto, não foi a esperada. O adversário de Rollemberg neste segundo turno eleitoral, o advogado Ibaneis Rocha (MDB), venceu em todas as zonas eleitorais de Ceilândia.
Em 2017, um relatório da Controladoria-Geral do DF (CGDF) apontou irregularidades nas obras de infraestrutura do Sol Nascente. Desde que operários e máquinas iniciaram as intervenções, em fevereiro de 2015, o GDF repassou R$ 13,5 milhões a mais do que a estimativa inicial às construtoras responsáveis por levar drenagem e pavimentação à região. Embora os trabalhos no Trecho III só tenham chegado a uma rua, os recursos para todo o Setor Habitacional já estão empenhados.
Segundo o relatório da CGDF, o problema é que o aditivo milionário pode ter sido empenhado desnecessariamente. Entre setembro e novembro de 2016, auditores do órgão inspecionaram todos os contratos firmados entre a Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos e os três consórcios de construtoras: Consórcio Nascente, Consórcio Nascente II e Consórcio Nascente III.
A auditoria depreendeu que os aportes extraordinários trouxeram “impacto nos princípios da isonomia e da seleção da proposta mais vantajosa”. O Trecho I, licitado por R$ 41,5 milhões, contou com cinco aditivos, que fizeram o custo aumentar em R$ 8,4 milhões. O caso continua sob investigação
Enxurrada arrastou mulher, em São Sebastião
Também na tarde de domingo, uma mulher de 49 anos foi arrastada por uma enxurrada até um bueiro irregular que deságua no Córrego Agudo, na região administrativa de São Sebastião.Os próprios moradores conseguiram fazer o socorro inicial, evitando que ela fosse arrastada pela água até o rio.
Segundo informações do Corpo de Bombeiros, os militares foram acionados para uma ocorrência de afogamento na rua 11 do bairro São Francisco. A vítima foi resgatada, recebeu atendimento no local e acabou sendo transportada ao Instituto Hospital de Base (IHB) com vida.
Ela estava com escoriações e sintomas de afogamento grau 3, quando a vítima ingere bastante água, apresentando sinais de insuficiência respiratória e taquicardia.
Na Vila Roriz, no Gama, a chuva desta tarde também invadiu casas de moradores e alagou parte da Avenida Contorno.
Transtornos duram 3 diasEste é o terceiro dia seguido com fortes precipitações na capital federal. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), no sábado (20), as estações meteorológicas registraram 49 milímetros (mm) de chuva. Até o momento, em outubro choveu 113 mm. O esperado para todos os dias do mês é 160 mm.


As chuvas registradas no fim de semana, além de causar transtornos, expôs velhos problemas em diversas regiões administrativas. Em Vicente Pires, na sexta (19), vias ficaram alagadas e veículos acabaram atolados no lamaçal. No Setor P Norte, em Ceilândia, o asfalto cedeu em uma obra para instalação de redes pluviais e uma van caiu no buraco.

Bombeiros tiveram trabalho para retirar uma árvore que caiu em frente ao Ministério da Defesa, na Esplanada dos Ministérios, na madrugada deste domingo. Não houve vítimas. Ao todo, 10 militares em duas viaturas atuaram na região onde, provavelmente por conta da chuva, a árvore caiu ocupando cinco da seis faixas do Eixo Monumental. A pista foi liberada às 2h30, segundo informações a corporação.

Tesourinhas acabaram alagadas. A chuva também foi registrada por moradores do Cruzeiro, do Plano Piloto, de Samambaia, de Sobradinho e de Taguatinga.

Confira imagens:
your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior

Publicidade