Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Classic Header

{fbt_classic_header}

Publicidade

Últimas notícias

latest

Gilmar Mendes pede ao STF que retire o porte de armas de Rodrigo Janot

Gilmar Mendes pede ao STF que retire o porte de armas de Rodrigo Janot O ministro também pediu a Alexandre de Moraes medidas cautelares qu...


Gilmar Mendes pede ao STF que retire o porte de armas de Rodrigo Janot
O ministro também pediu a Alexandre de Moraes medidas cautelares que garantam sua segurança. Solicitação foi feita após confissão do ex-PGR
O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), encaminhou um requerimento ao ministro Alexandre de Moraes, nesta sexta-feira (27/09/2019), solicitando a retirada do porte de arma do ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Moraes é o relator do inquérito que apura ameaças feitas a integrantes da Corte, conhecido como “inquérito das fake news“.
O magistrado também solicitou à Corte medidas cautelares que garantam a sua segurança. A íntegra do documento, contudo, corre em segredo de Justiça.
MAIS SOBRE O ASSUNTO

O pedido de Gilmar Mendes foi feito após o ex-PGR afirmar, em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, que teve a intenção de matar o ministro e até foi armado ao Supremo para consumar o fato. A ideia de Janot era assassinar a tiros o magistrado e cometer suicídio.
“Cheguei no meu limite e fui armado”, relatou o ex-PGR. “A minha ideia era de que ia dar um tiro na cara dele e depois ia me suicidar, na antessala do Supremo”, detalhou. Janot explicou que os dedos das mãos direita e esquerda tinham travado quando ele tentou puxar o gatilho e atirar em Gilmar.
“Potencial facínora na PGR”O ministro Gilmar Mendes afirmou que o ex-procurador está com abstinência desde que deixou o cargo, em setembro de 2017. Mendes reagiu às revelações do ex-chefe do Ministério Público Federal (MPF), dizendo que ele precisa de tratamento psiquiátrico.
“Não imaginava que tivéssemos um potencial facínora comandando a Procuradoria-Geral da República”. Para o ministro, os presidentes que o escolheram devem ter a “autorresponsabilidade” de indicar alguém tão desprovido de condições para a função.