domingo, 27 de outubro de 2019

author photo
Luciana Mota, de 37 anos, estava dentro de um dos três veículos atingidos pela aeronave e conseguiu escapar sem nenhum arranhão

A manicure Luciana Mota, de 37 anos, ainda tenta se recuperar e entender os momentos que viveu na manhã desta segunda-feira no Bairro Caiçara, Noroeste de Belo Horizonte, ao ter seu veículo completamente destruído pelo avião que caiu na Rua Minerva. Segundo informou o jornal Estado de Minas, ela estava dentro do carro, um Renault Logan, que foi um dos três veículos atingidos pelo avião, e conseguiu escapar sem nenhum ferimento.
“Eu saí da academia, entrei no carro, coloquei a chave na ignição e escutei um barulho. O carro ainda tava todo fechado, então escutei um barulho baixo. Eu achei até que fosse alguma batida de carro, alguma coisa assim. Eu só levantei o olho, quando eu levantei eu falei ‘o avião caiu de novo’, aí ele explodiu na minha cara. Aí eu abaixei e falei ‘vou morrer queimada agora’”, diz a manicure.
A reação rápida de Luciana certamente a salvou de ser mais uma vítima da tragédia. Mas antes de deixar o veículo, ela teve que avaliar se estava viva ou morta.
“Eu só esperei. Falei ‘vou esperar explodir comigo aqui dentro’. Aí deu aquela explosão, eu dentro do carro, eu olhei: ‘bom, não morri ainda, vou sair correndo’. Tudo que passou na minha cabeça era que eu ia morrer queimada. Saí pelo banco do passageiro porque o meu lado já estava todo pegando fogo. A minha sensação é de que eu estava queimando. Pulei pro banco do passageiro, abri a porta, e saí correndo”, relembra.
your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior

Tempo Agora

ESTRUTURAL - DF TEMPO AGORA