sexta-feira, 8 de novembro de 2019

author photo


Após a covardia de dizer, em setembro, ao jornalista Glenn Greenwald e seu marido deputado David Miranda que seus filhos adotados deveriam ser entregues a um juizado de menores porque os pais trabalham, Augusto Nunes foi colocado frente a frente com o jornalista americano.

Depois de voltar a atacar Glenn pelo trabalho legal de divulgar as mensagens vazadas por uma fonte anônima e dizer que o outro mentia e que havia feito uma “ironia”, Glenn exaltou-se e chamou Nunes de “covarde” pelo menos cinco vezes. Em seguida, Augusto Nunes, para se defender da acusação de ser um covarde, cometeu um ato covarde – atingiu o rosto do americano com um soco – para provar que não é covarde.
Por sua maturidade, Augusto Nunes é quem deveria ser entregue ao juizado de menores para ver se lhe aparecem pais que lhe ensinem o que é decência e tolerância.
Já a Jovem Pan, que convidou Augusto Nunes sem avisar Glenn Greenwald, poderia fazer outras pegadinhas do tipo. Uma delas poderia ser convidar Jair Bolsonaro e o porteiro que diz ter ouvido sua voz para liberar a entrada de um dos suspeitos de matar Marielle Franco, por exemplo. Ou chamar Eduardo Bolsonaro e alguém que perdeu familiares após o endurecimento do regime ditatorial como o AI-5. Ou Ricardo Salles e as famílias nordestinas que não tem o que comer porque o ministério do Meio Ambiente não fez nada para barrar o vazamento de petróleo. Ou Carlos Bolsonaro e um psiquiatra.
your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior

Tempo Agora

ESTRUTURAL - DF TEMPO AGORA