quinta-feira, 7 de novembro de 2019

author photo

Mãe mora em Brasília e pediu ajuda ao Conselho Tutelar porque temia pela vida do filho. Neste ano, criança foi levada oito vezes para delegacia por furtos, em Águas Lindas de Goiás.Menino de 11 anos foi encontrado morto em córrego em Águas Lindas de Goiás — Foto: Reprodução/TV Anhanguera
O menino de 11 anos que foi encontrado morto na terça-feira (5), em Águas Lindas de Goiás, no Entorno do Distrito Federal, já havia fugido de um abrigo em Brasília pelo menos cinco vezes em um período de dois meses. A informação foi dada ao G1 nesta quarta (6), pelo conselheiro tutelar Cleiton Vital de Oliveira.
“Foi um caso diferente porque era uma criança. A gente vê mais adolescentes nessa situação]. Realmente não conseguíamos ter controle sobre ele.”
De acordo com Cleiton, a mãe da criança, que mora em Taguatinga, no DF, pediu ajuda ao Conselho Tutelar porque temia pela vida do filho. “Ela deixou Águas Lindas por conta das ameaças contra ele”, afirmou o conselheiro.
A família veio morar em Ceilândia, no DF, mas o menino teria participado de crimes na região também. Então, a mãe decidiu morar em Taguatinga, mas não estava conseguindo proteger o garoto e nem evitar que ele “se envolvesse em confusão”.
“Ela me relatou que ele não podia ficar na casa da família, senão iam matá-lo lá. Depois dessas ameaças, nós colocamos ele no abrigo”, afirmou o conselheiro.
Só neste ano, o menino tinha sido levado para a delegacia oito vezes, por crimes de furto e roubo. O corpo dele foi encontrado em uma mata, às margens de um córrego, com marcas de pancadas na cabeça, provocadas, provavelmente, por um pedaço de pau ou de ferro.
A Polícia Civil de Goiás acredita que o crime tenha sido motivado por vingança. O enterro será nesta sexta-feira (8), no Distrito Federal.
Fugas do abrigoGaroto foi assassinado com golpes de pau e pedra — Foto: Reprodução/TV Anhanguera
O conselheiro tutelar de Taguatinga, Cleiton Vital de Oliveira, afirma que o menino foi enviado para o abrigo pela primeira vez em 10 de setembro. A Justiça permite que, em casos de ameaça à vida, os menores sejam encaminhados emergencialmente para casas de acolhimento.
Cleiton disse que na última segunda-feira (4), um dia antes da morte, atendeu o garoto – que havia fugido de novo – e o levou de volta para o abrigo. O conselheiro afirma que o menino jantou e tomou banho, mas saiu novamente.
“Só nesses últimos dois meses, nós fizemos uns dez atendimentos com ele e seis ou sete acolhimentos emergenciais.”
Quando saía do abrigo, o menino costumava ir para a casa da avó, em Águas Lindas. Ao ser pego pela polícia de lá, ele era encaminhado de volta aos conselheiros tutelares de Taguatinga, no DF.
Investigação
A morte da criança é investigada pela 17ª Delegacia Regional de Polícia (DRP), de Águas Lindas de Goiás. Segundo o delegado Cléber Martins, um suspeito já foi identificado.
“Ouvimos algumas pessoas, que disseram que ele estava sendo ameaçado de morte. A suspeita é que o crime tenha sido uma vingança em relação aos furtos que cometia. Todos os dias ele furtava. Já temos um suspeito, mas não posso passar mais detalhes”
Ainda de acordo com o delegado, o menino era conhecido por se envolver com furtos desde os 7 anos de idade. Na segunda (4), ele havia participado de dois crimes, ido à delegacia e, em seguida, liberado.
“Não se lavra procedimento contra menor de 12 anos. Não tem procedimentos lavrados contra ele. Libera ao Conselho Tutelar para aplicação de medida de proteção”, informou.

Fonte: Afonso Ferreira, G1 DF
your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior

Tempo Agora

ESTRUTURAL - DF TEMPO AGORA