quinta-feira, 7 de novembro de 2019

author photo
Polícias do DF trabalham em conjunto para evitar crimes, mas baixo potencial das infrações cria ciclo vicioso: autuados voltam às ruas horas depois de serem levados às delegacias(foto: Paula Rafiza/Esp. CB/D.A Press)

Número de usuários de crack no DF levanta debate sobre prevenção
Usuários estão espalhados pelas regiões administrativas e no centro de Brasília, situação que levanta discussões sobre a importância da prevenção. Problema gera custos elevados ao Estado, com gastos em hospitais e delegacias, por exemplo
Brasília convive com um problema social, de saúde e de segurança pública que atinge as regiões administrativas e é facilmente encontrado no centro da capital. De esfera individual e coletiva, o consumo de crack afeta cerca de 1,4 milhão de pessoas entre 12 e 65 anos no Brasil, segundo dados da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A droga é conhecida pelo potencial para viciar no primeiro uso, o que gera destruição física e psicológica no dependente e nos familiares. Quem está inserido em sociedades com esse problema também fica sujeito a crimes como assaltos e furtos de pessoas viciadas em busca de mais droga. O Estado, por sua vez, acumula gastos em hospitais e delegacias, por exemplo, por causa da dependência. As soluções parecem distantes, mas a prevenção e o diálogo entre órgãos pode ser um caminho, de acordo com especialistas ouvidos pelo Correio.
Além das dificuldades governamentais, quem vive de perto a destruição provocada pelo crack enfrenta a barreira do preconceito. “Ninguém quer defender a causa dos usuários de droga, eles são tratados como se não fossem seres humanos. Os parlamentares gostam de falar de temas como a educação, as pessoas gostam de ouvir coisas bonitas, e todos acabam deixando uma discussão importante de lado. Eu tive um parente próximo que se viciou em crack, e a família ficou sozinha na luta”, relata Pedro Paulo Silva, 59 anos. O produtor de eventos conhece bem o caos de um lar que abriga alguém com dependência de uma substância tão pesada. “De repente, tive notícia de que um ente querido, jovem e que sempre estudou nos melhores colégios particulares de Brasília estava na rua. Vi quem eu amava largado, fedendo, em um estado que eu nunca pude imaginar”, lamenta.
your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior

Tempo Agora

ESTRUTURAL - DF TEMPO AGORA