Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Classic Header

{fbt_classic_header}

Publicidade

Últimas notícias

latest

Felipe Neto é indiciado por corrupção de menores; youtuber nega acusações

Felipe Neto é indiciado por corrupção de menores; youtuber nega acusações Se for condenado, pode pegar até quatro anos de reclusão. "De...


Felipe Neto é indiciado por corrupção de menores; youtuber nega acusações
Se for condenado, pode pegar até quatro anos de reclusão. "Denúncias caluniosas", diz o youtuber
Sendo anunciado nesta sexta-feira (6/11 ) pelo próprio youtuber, a Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI) do Rio de Janeiro indiciou Felipe Neto. Ele é acusado de corrupção de menores, o que ele nega
Polícia Civil explicou, em nota, que as investigações ocorreram após um expediente do próprio Ministério da Justiça e que o indiciamento ocorreu ainda na quinta-feira (5/11) por conta da suposta divulgação de material impróprio para crianças e adolescentes no canal de Felipe no YouTube. Leia a nota na íntegra:
“A Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI) indiciou, nesta quinta-feira (05/11), o youtuber e influenciador digital Felipe Neto por corrupção de menores. As investigações iniciaram após expediente do Ministério da Justiça. Ele foi indiciado por divulgar material impróprio para crianças e adolescentes em seu canal do YouTube e por não limitar a classificação etária dos vídeos com conteúdo e linguajar inapropriado para menores”.
O crime de corrupção de menores está previsto no artigo 244-B do Código Penal: "Corromper ou facilitar a corrupção de menor de 18 (dezoito) anos, com ele praticando infração penal ou induzindo-o a praticá-la". A pena é reclusão de um a quatro anos, em caso de condenação.
Defesa
Pelas redes sociais, Felipe Neto se defendeu das acusações atribuindo às denúncias ao "ódio bolsonarista" e que está tranquilo, além de confiante na Justiça: "Baseado em denúncias caluniosas feitas pela articulação do ódio bolsonarista, um delegado decidiu me indiciar sem apurar nada ou fazer qualquer investigação. Confiamos inteiramente na Justiça. Já esperávamos isso e estamos 100% tranquilos".

Nenhum comentário