banner

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

author photo

Rede e PPS se unem
Legendas lideradas por Marina Silva e Roberto Freire darão origem a um novo partido
A Rede Sustentabilidade e o Partido Popular Socialista (PPS) também devem se fundir a partir de 2019. Além de agregar as duas legendas, a união deve incluir movimentos democráticos, até então apartidários, como o Agora, o Livres e o Acredite. O objetivo das legendas é aumentar a participação democrática nas decisões do novo partido e superar a cláusula de barreira, assim como farão o PPL e o PCdoB.
O PPS realizará um Congresso Extraordinário no dia 19 de janeiro para criar uma nova formação política a partir da integração dos movimentos sociais. De acordo com o presidente da legenda, Roberto Freire, há “uma desejada, mas ainda eventual, participação de integrantes da Rede”. Freire disse, pelo Twitter, que o partido terá um novo nome e nova organização.
“Trata-se de sinalizar possível caminho para o reagrupamento necessário do campo democrático e das forças progressistas no sentido de se reconectar com a sociedade e oferecer aos brasileiros uma alternativa real neste próximo ciclo que se avizinha”, diz a nota assinada por Freire no site do PPS, citando a eleição de Jair Bolsonaro para presidente da República.
A Rede, partido criado por Marina Silva, fez cinco cadeiras no Senado e apenas uma na Câmara dos Deputados. Já o PPS elegeu oito deputados federais – entre eles a deputada Paula Belmonte, em Brasília, e dois senadores. A Rede terá uma cadeira na Câmara Legislativa, com o distrital Leandro Grass.
A Rede-DF rachou no Distrito Federal após parte dos filiados apoiar Ibaneis Rocha (MDB) no segundo turno, mesmo com indicação nacional de aliança com Rodrigo Rollemberg (PSB).

your advertise here
Próximo Próximo
Anterior Anterior

Publicidade