terça-feira, 3 de dezembro de 2019

author photo

Dirceu e Eduardo Cunha foram separados pelo Supremo
Os dois ex-companheiros de cela merecem cadeia, mas só o condenado em segunda instância foi libertado.
Integrantes de quadrilhas distintas, José Dirceu e Eduardo Cunha dividiram amistosamente a mesma cela numa cadeia do Paraná. Poderiam ter descoberto que nasceram um para o outro se o STF não resolvesse mostrar que, no Brasil, a segurança jurídica talvez seja mais frágil que a segurança pública.
Ao decidir que ninguém pode ser considerado culpado antes do trânsito em julgado da sentença condenatória, o Supremo Tribunal Federal abriu a porta da gaiola que abrigava Dirceu. Condenado em segunda instância, o reincidente sem cura está autorizado a seguir ampliando o prontuário.
Cunha não teve a mesma sorte. Condenado em primeira instância num dos processos que enfrenta, aguarda o desfecho desse e de outros casos em andamento trancafiado num presídio do Rio. Em regime de prisão preventiva, o ex-presidente da Câmara não exerce o direito de ir e vir desde 2016.
Sem chances de ter a condenação revogada, Dirceu deverá envelhecer em liberdade. Sem ter sido julgado por um colegiado, Cunha vai continuar na gaiola. Os dois merecem cadeia, mas só o que ainda espera a decisão em segunda instância às ruas permanece encarcerado. Os semideuses de toga só são clementes com bandidos de estimação.

your advertise here

Este post tem 0 Comentários

Próximo Próximo
Anterior Anterior

Tempo Agora

ESTRUTURAL - DF TEMPO AGORA